Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Dei um salto na minha carreira

Avelino Umba - 23 de Novembro, 2012

Jairzinho considera grande salto a sua contratao pelo Progresso

Fotografia: Jos Cola

Jornal dos Desportos - Que avaliação faz da sua integração no Progresso do Sambizanga?
Jair Sebastião - Dei um grande salto na minha carreira profissional. Encontrei no Progresso um grande treinador, o David Dias, que ao longo da época me ajudou bastante, sobretudo nos momentos difíceis.

Aprendeu muito com o novo treinador do Progresso?
É um técnico competente com qualidades humanas acima de tudo. É como se de um pai se tratasse. Um homem bastante exigente e com espírito de ajuda ao próximo. Com ele pessoalmente tenho relações excelentes. Tem sido muito importante para mim.

Está então satisfeito com a sua ida ao Progresso?
A minha descoberta pelo Progresso foi através de agentes desportivos ligados ao clube “sambila” que depois de uma partida, cuja data não me lembro, solicitaram os meus préstimos. Dado o projecto que a direcção do “sambila” tinha em carteira não recuei, avancei e aceitei assinar o contrato. Valeu a pena.

Quantas épocas mais fica na equipa?
Assinei por duas épocas. O contrato satisfaz-me, doutro modo não estaria lá até à data presente. 

Que recordações guarda do campeonato que terminou onde pelo Progresso ainda com idade júnior conseguiu estar na equipa principal?

Quando se fala de recordações, há boas e más. Os quatro meses que fiquei sem jogar por lesão marcaram-me muito pela negativa. Em relação aos bons momentos, são tantos, que se for para enumerará-los não temos espaço.

Conseguiu mostrar todo o seu real valor mesmo só tendo regressado na segunda volta depois de mais de dois meses lesionado?

Os dois meses de paralisação foram bastante prejudiciais para a minha carreira profissional. Ninguém gosta de ficar parado durante esse tempo todo. E aquela imobilização não prejudicou apenas a mim, também a própria equipa.

Foi bem acompanhado no tratamento?

Fui sempre bem acompanhado pelo doutor Caetano Maria, que conseguiu com a sua equipa médica fazer tudo para a minha recuperação e voltar à normalidade.


COMPETITIVIDADE
“As equipas estão
a ficar equilibradas”


JD - O melhor método do Progresso encontrar atletas de renome no mercado interno e externo é pela simples observação?
JS - É o melhor método, pois é uma forma de dar possibilidade a jogadores que nunca estiveram a treinar com a equipa. Se os clubes forem sempre buscar jogadores de renome não descobrem os talentos que precisam de uma oportunidade. O Progresso observa e já apostou em jogadores mais jovens como aconteceu com Yano, Chico, Isaac, Viete, Ito, Jair, entre outros

Como avalia o nível competitivo do Girabola que terminou?
No princípio, quando estava de fora, pensava que tudo era fácil para os tradicionais candidatos ao título. Depois vi que não era assim. A prova está cada vez mais renhida de época para época. Com muito trabalho e dedicação as equipas estão a ficar equilibradas e o campeonato difícil.

JD - Que comentário pode fazer sobre atrasos de salários e cumprimento de contratos?

Para aqueles que fazem que assim aconteça, devem o mais rápido possível regularizar a situação. Actos do género não só prejudicam os jogadores, que têm família a sustentar, como o rendimento das próprias equipas, falhando os objectivos de cada época.

VALORES

“A Escola Norberto de Castro
formou muito bons jogadores”


JD - Que visão tem hoje da Escola Norberto de Castro onde se formou?

JS - Faço uma avaliação positiva do trabalho que ela desenvolvia até há pouco tempo. Foi a partir de lá que depois actuei na Segundona e conquistei a Taça Provincial. Devo dizer que formou muito bons jogadores e é pena que tenha fechado as portas.

Que recordações pessoais tem dessa escola?
Muitas, enquanto jogador de juniores como nos seniores. Muitas das boas que não me saem da cabeça são as viagens que tínhamos constantemente para dentro e fora do país, principalmente para o Brasil, onde íamos jogar a convite de determinadas agremiações em alguns torneios.

Está recordado em que ano ascendeu a sénior?
JS - Ascendi aos seniores ainda no Norberto de Castro e em 2012 na época que recentemente terminou.

Quais as principais dificuldades que encontrou no futebol jovem e no sénior?
Há muita diferença, pelo facto do futebol sénior ser mais táctico e com muito trabalho, acompanhado com sessões duplas por dia, ao passo que nos juniores a coisa é mais leve.


OBJECTIVOS

“Sorte foi madrasta para a nossa equipa”


JD - O que diz sobre o facto do Progresso não atingir os cinco primeiros lugares que foi a meta projectada?
JS - Treinámos o suficiente para alcançarmos os nossos objectivos. Todos os dias trabalhávamos para melhorar em todos os aspectos no sentido de ajudar a equipa a ganhar e somar vitórias, mas infelizmente a sorte foi madrasta para a equipa. O que aconteceu no Girabola é o mesmo que na Taça de Angola, onde fomos eliminados pelo Petro de Luanda. Demos a carga necessária, mas não fomos bem sucedidos.

Sentiu coesão e interligação com os colegas da equipa?
JS - Nós tratamo-nos como amigos ou irmãos. Temos um grupo bom, no balneário só se cultiva a amizade e a irmandade.

Sendo um sonho de qualquer jogador quando é que pensa estar na selecção?
É de facto desejo de todo o jogador um dia atingir a Selecção Nacional. Não tive ainda a sorte, tanto na de sub-17 como de sub-20, mas vou trabalhar a pensar na possibilidade de um dia acontecer.

Acredita que as qualidades que possui o levam a altos patamares no mundo de futebol?

Com fé e muito trabalho acredito que posso atingir os meus objectivos, isto é, ser de facto um dia jogador angolano de grande referência.

Caso não tivesse um contrato de dois anos e aparecesse outra equipa aceitava outro desafio?
Isso dependia das negociações entre os clubes e o jogador, pois, sendo o Progresso a minha primeira equipa no Girabola, não tinha moral de abandoná-la de forma irresponsável.

Quais as suas expectativas para a próxima época desportiva?
É sobretudo trabalhar bastante e ajudar a equipa a atingir um lugar de destaque no campeonato.

Quais os jogadores nacionais que para si podem despontar em breve no futebol angolano?
Yano, que é o melhor marcador do Girabola, o Viete, Isaac, Alex, sem desprimor para outros. Em suma, temos um leque de jovens promissores no futebol que amanhã vão dar cartas.


Perfil

Nome: Jair Sebastião de Castro
Naturalidade: Luanda - Sambizanga
Nacionalidade: angolana
Data Nascimento: 22.11.1990
Estado Civil: solteiro
Filhos: nenhum
Peso: 60 kg
Altura: 1,70 m
Prato: Feijoada
Bebidas: sumos e água
Princesa: minha mãe
Tabaco: não
Perfume: Todos que sejam bons
Cor: Vermelha e branca
Religião: Evangélica
Calor ou cacimbo: cacimbo
Boleia ou volante: volante
Droga: contra