Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Dirigente projecta nova época da equipa

Manuel Neto - 30 de Novembro, 2016

Dirigente revelou que a direcção já está preocupada com os investimentos para a próxima temporada

Fotografia: M. Machangongo

Que avaliação faz da prestação  da equipa do Desportivo da Huíla no Girabola  que terminou?
Não foi uma  boa prestação, uma vez que ao longo da prova vivemos problemas de vária  ordem que fez com que baixássemos muito, sobretudo  na segunda volta da prova, diferente da  primeira em que  estivemos bem e chegamos mesmo a liderar o campeonato para gáudio de todos que se identificam com as cores do clube.

Pode apontar concretamente as  razões que estiveram  na base do fracasso?
Penso que a dada altura  a nossa  equipa  relaxou e acredito que alguns percalços de ordem financeira estiveram na origem disso e assim alguns jogadores experientes faziam ficam pé não querendo compreender a nossa realidade. Foram deixando cair a equipa e por pouco não custou a saída do técnico que  só depois da nossa intervenção é que o técnico decidiu ficar.

Por que  motivo  a equipa não teve dinheiro a altura das vossas necessidades?
O problema é conjuntural, visto que o país vive uma crise e a nossa equipa não foge a regra, ou seja este ano não fomos contemplados com o nosso orçamento habitual e tivemos que tudo fazer no sentido de termos uma gestão que nos permitisse minimizar as dificuldades e   chegarmos até a final da prova sem grandes sobressaltos financeiros.

Fala-se mais de  problemas  organizacionais como o principal problema que a equipa viveu quer confirmar?
Sei que no seio da  organização do  Desportivo existe elementos que  prestam este serviço voluntariamente e nem todos têm tempo para fazer uma  formação de dirigismo, mas ainda assim não acho que houve desorganização, porque se assim fosse, acho que não tínhamos pago todos os salários  do conjunto. Alias para que tal acontecesse foi preciso estarmos organizados.

E como estamos em termos de prémios de jogo?
Devo dizer que nesta questão  estamos a superar aos poucos, pagamos a maior parte dos prémios e acredito que até ao final deste ano teremos todos os prémios pagos porque estamos a tratar  seriamente desta questão.

Além de contarem com o vosso principal patrocinador, não têm encetados  contactos no sentido de terem outras fontes de financiamento?
Isso nunca faltou, quase sempre encetamos contactos do género,  mas devido a crise  a maior parte dos contactos ficam apenas em promessas e não se traduzem  em prática. Basta ver que nesta vertente até o nosso patrocinador de equipamentos e bolas  nos tirou a mão  alegando não ter dinheiro para importar os equipamentos e por incrível que pareça até problemas de água para beber tivemos dificuldade por falta  de vasilhame. Em suma são problemas de vária ordem que estão a ser geridos com muita atenção de formas a evitar o pior.

PROXIMA ÉPOCA
\"Vamos apostar nos jovens\"

Por tudo que aconteceu na época passada o Desportivo da Huíla vai sofrer uma grande sangria?

Não será grande sangria, mas devo dizer que existe necessidades imperiosa de fazermos algumas mudanças  no plantel, sobretudo prescindir daqueles que já têm uma certa idade. Ou seja vamos procurar apostar mais na juventude.

Será que a juventude que diz reúne alguma experiência para fazer face ao Girabola?
Sim , porque não vamos apostar apenas nos jovens da nossa equipa ,mas também  noutros atletas  provenientes de alguns clubes com algum traquejo em competições do género de forma a não defraudarmos os nossos aficionados.

Como está a camada de  formação  no Desportivo da Huíla?
Aqui trabalha-se bem nesta faixa, temos muita gente com vontade e como meta todos os anos temos de promover dois jovens com qualidade e acho que temos estado no bom caminho. Em suma nesta vertente estamos bem servidos sobretudo  nos clubes de destaque como o Desportivo e o  Benfica.

INFRA-ESTRUTURAS
\"É doloroso vermos
os campos a caírem\"


Que apreciação tem  do estado dos campos de futebol na Huíla?
É de triste memória, e até mesmo doloroso, ver os campos de futebol  a decaírem  a cada dia que passa. Se vir bem o Estádio da  Tundavala foi construído para  o CAN,  está numa situação lastimável. O de Nossa Senhora do Monte seguiu o mesmo ritmo, e para piorar  a END cobrou-nos uma  dívida contraída pela administração anterior, que nós não tínhamos capacidade de  cobrir.
Assim,  pedimos encarecidamente  para  que esperasse mais um pouco, porque vimos que  o corte de energia ia trazer  grandes danos. Aliás, dois dias sem rega da relva era suficiente para piorarmos o cenário, mas  não houve consenso, e agora  o cenário é dos piores. Deste modo, acredito que não há recuperação possível para o relvado, a não ser que se plante outra que fica mais caro.

Como vai o futebol na província?

Está a dar passos lentos, porque praticamente não existem muitos recursos para a prática deste desporto, e até mesmo, temos encontrado dificuldades para fazer jogos de controlo, o que muitas vezes leva-nos  a recorrer a grupos dos bairros, que  não oferecem a competitividade desejada para um grupo profissional. Mas a nossa melhor solução é com algumas equipas de Benguela  e do  Namibe.
 
MUDANÇAS
\"Tínhamos um plantel com experiência\"

O plantel do Desportivo  foi mal gerido?

Não acho isso, porque antes do inicio da prova fizemos uma avaliação minuciosa do plantel  e concluímos que tínhamos um grupo a altura da prova basta ver que  a par do 1º de Agosto chegamos a liderar o campeonato. Alias tínhamos no plantel atletas com grande experiência  de Girabola e sem medo de errar devo mesmo dizer que não houve défice no plantel.

As condições de trabalho e  a acomodação dos atletas e a equipa técnica estavam asseguradas?
A  nível das nossas possibilidades sim,  porque nós temos um local de acomodação que fica distante do campo, não está ainda urbanizada e de formas a evitarmos dificuldades fizemos uma avaliação das vantagens e desvantagens e notamos que estando lá teríamos mais gastos. Por isso, optamos por alugar um recinto com melhores condições de acomodação onde os atletas se sentiram bem. Agora quanto a equipa técnica a meu ver o técnico Ivo influenciado pelas condições que tinha no 1º de Agosto fez algumas exigências altas ao nosso bolso,  como uma nova residência, mobila nova entre outras, mas ao nosso nível não tínhamos condições para o efeito. Não obstante isso, alugamos uma suite de primeira classe num dos hotéis onde ele ficou bem acomodado, acho eu.

Disse que a época  que terminou a equipa não respirava boa saúde financeira, que cautelas estão a ser tomadas para que isso não volte acontecer na próxima época?
A direcção está trabalhar seriamente no sentido de  superar  as dificuldades do passado  e vamos esperar que tudo corra bem, uma vez que  todos que se identificam com as cores do clube estão afincados nisso.
 MN