Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Drasko promete"Gira"ao Progresso

28 de Julho, 2010

Stoiljkovic Drasko promete aos samilias jogar no Girabola2011

Fotografia: M.Machangongo

Assumiu recentemente o cargo de treinador principal do Progresso Associação Sambizanga. Quais são as mais-valia que trouxe à equipa para ascender ao Girabola’2011?Muito trabalho, dedicação e organização é tudo quanto trouxe na minha bagagem para que a equipa do Progresso ascenda ao Girabola’2011. Não tenho dúvidas disso, pois o plantel tem ganhado organização internamente e, nessa altura, não estou em falta de condições de trabalho. Sendo nosso objectivo atingir o Girabola, tudo está a depender dos esforços dos jogadores e do treinador. Nunca fui de prometer, mas desta vez, com muito trabalho e dedicação prometo levá-la ao Girabola do próximo ano. Que motivações o levaram a aceitar treinar o Progresso?Tive um encontro com o presidente e o director do clube, respectivamente, Paixão Júnior e António Gomes (Tony Estraga), no qual abordámos várias situações, entre as quais a situação do plantel existente. Sobre esse assunto, falámos do que se pode contar e ser dispensado. Nessa triagem, com a colaboração da direcção, conseguimos fazer o reforço necessário. Esse tipo de colaboração fez com que aceitasse os desafios de treinar a equipa e levá-la ao merecido lugar, no caso, o Girabola.  O contrato assinado satisfaz todas as suas exigências?É extremamente bom; não é grande, mas vamos trabalhar para que depois de atingirmos os nossos objectivos, quem sabe, engrandeceremos o mesmo! Qual é a periodicidade do seu contrato?Uma época e outra de opção.Em termos gerais que avaliação faz do grupo?É bom, pois a equipa dispõe de transporte, equipamentos em condições, bolas, salários em dia e campo para treinos. Essas são as conjunturas que considero indispensáveis para sucesso de uma equipa; acredito que vai ajudar-nos a atingir os objectivos preconizados. O moral e a motivação estão a falar cada vez mais alto numa agremiação constituída maioritariamente por jovens com muito futebol para o futuro.O Progresso é uma equipa misturada de jogadores experientes e os razoáveis que me dão garantia para a subida de divisão.Está a dizer que o sucesso reside na miscelânea de juventude com e sem experiência?Claro que sim. Isso é extremamente importante, porquanto os mais experientes têm sabido emprestar o seu saber aos mais novos, o que junta o útil ao agradável.O Progresso Associação do Sambizanga é uma equipa ‘crónica’ em subidas e descidas no Girabola. O que está a ser feito para colocar ponto final nesse sentido?Tudo requer bom trabalho.Vamos trabalhar no sentido de, quando lá estivermos, não descermos facilmente como acontecia.Prometo que, depois da equipa subir ao Girabola, a equipa terá mais reforço e vai procurar estabilizar-se no campeonato, isso é, vai posicionar-se entre os melhores lugares. Que aquisições fez em termos de reforços?A equipa foi reforçada com mais um guarda-redes, para além do Stopirra, Johan Mbakala, Milenze, Abel, Eduardo, Gugu, Kadima, Delgado e tantos outros que não me vêm na memória, a quem peço as minhas desculpas. Alguns nomes citados como reforços não estarão ultrapassados no espaço e no tempo?Não concordo.Se assim fosse, não seriam contratados. Nesta área, é difícil arranjar jogadores que podemos considerá-los valiosos. Não sou de falar muito de idades, pois para mim, o jogador é aquele que mostre trabalho, independentemente, da idade.Os jogadores, que acima citei, jogaram na Selecção Nacional e no Girabola. Com trabalho e humildade, misturados com os mais novos, vão dar o seu saber para que a equipa suba ao Girabola, o nosso objectivo principal. "Organização é primordialpara sucesso de um clube" Encontrou alguma dificuldade que mereceu a sua intervenção imediata?Não tanto, apenas alguns jogadores que não tinham qualidade para ficar na equipa, pois os nossos planos não se adequam com a má prestação de jogadores.O que fez com esses jogadores?Primeiro, conversámos com os mesmos no sentido de procurarem outros clubes.Que relação existe entre o técnico e a direcção do clube?É extremamente boa; não estou a falar isso pelo facto de me encontrar no Progresso, mas é a realidade. Corrobora do pensamento de que o sucesso e a qualidade de uma equipa dependem da organização interna do clube?A organização interna de um clube é fundamental, embora não esteja aqui para fazer análise da direcção, situação que ultrapassa as minhas competências. Mas ainda assim, defendo que a organização é primordial para o sucesso e a qualidade do clube. E como tal, na minha modéstia opinião, começo por analisar o atleta a partir de escola até atingir o sénior, porquanto a escola é a base. Quanto mais organizada e mais trabalho mostrar, mais jogadores vai receber e evitar a procura em outras equipas. É necessário fazer no mínimo 50 por cento e para frente fazer o resto em falta. Sobre essas condições, no nosso caso, vamos melhorar muito, pois no final de mês de Agosto vai ser inaugurado o campo do Progresso, totalmente, relvado, equipado com balneários, escritórios e outras áreas de apoios, onde vão treinar as equipas de juniores e de seniores.  Disse que terão as melhores condições com a inauguração do campo próprio. Actualmente, qual dos campos é o vosso bastião?O Campo de S. Paulo é o recinto dos nossos treinos e não só. O Progresso do Sambizanga não é a única equipa que treina naquele espaço; há outras agremiações que também trabalham naquele espaço, o que, às vezes, cria alguns constrangimentos. Estar em casa própria, a coisa é diferente. Por exemplo, na planificação de treinos bi-diários, entre outras actividades importantes, o sucesso é imediato.Não há interferências nem ruídos. "Bento Kangamba precisa de calma" Na sua passagem pelo Kabuscorp do Palanca, qual foi a parte negra naquela agremiação?Não tenho nada contra Kabuscorp.Considero-a boa equipa, bom clube. Entrei quase no final da primeira volta do Girabola e estava difícil atingir os objectivos preconizados, porque faltavam pontos. Encontrei uma equipa que precisava de a conhecer melhor. Na altura, emque faltavam três jornadas, conseguimos uma vitória, um empate e uma derrota. Houve um interregno no Girabola, que o aproveitámos para nos preparar, mas infelizmente não conseguimos reforçar a equipa com dois jogadores.Sinceramente, era insuficiente. Ainda assim, continuámos a trabalhar para uma grande luta, pois faltavam dois pontos para nos manter no Girabola, o que não conseguimos, passando à Liguilha, no qual lhe deu acesso ao Girabola.Que comentário se lhe oferece fazer em jeito de perspectiva tendo em conta o pouco tempo à frente do Kabuscorp?É uma equipa com um futuro promissor, pois tem um bom dirigente, o presidente Bento Kangamba, que o considero de boa pessoa, pois dá o seu apoio total à equipa, respeita os jogadores, treinadores e todos quanto fazem parte da mesma. Bento Kangamba precisa de mais um pouco de calma, visto que, no futebol, não ser fácil subir muito dentro de pouco tempo. Assim sendo, com reforço que teve, a equipa conhece progressos a contar também com a contratação de um técnico experiente, no caso, o Bondarenko, a quem desejo boa sorte.  O que esteve na base da rescisão do contrato?Foi decidido amigavelmente entre ambas partes (direcção e técnico). Decidimos pôr fim ao nosso vínculo contratual sem problemas, porque não havia motivos de continuar. Sei apenas que no fim, os abraços falaram mais alto e endereçámo-nos parabéns. Só o tempo vai reservar o nosso futuro. Perfil Nome – Stoiljkovic DraskoData de Nascimento – 5/5/1949Naturalidade: Zemun-Belgrado Nacionalidade: SérviaEstado civil – CasadoFilhos – Três (meninas)Línguas – Português, Inglês e Árabe  Habilitações – Curso Superior de Treinadores de Futebol pela Universidade de Belgrado Experiência como Jogador 1960-1964 - FC Zemun (pioneiro e cadete)  1964-1966 - FC Belgrado (júnior - 1ª Divisão - Belgrado) 1966-1971 - FC Belgrado (sénior - 1ª Divisão - Belgrado) 1971-1975 - FC Zemun (sénior - 1ª Divisão - Belgrado) 1975-1977 – FC Vozdovacki (sénior - 2ª Divisão - Belgrado) 1977-1979 – FC Sloga-Kraljevo (sénior - 2ª Divisão - Belgrado) Experiência como treinador 1979-1980 – FC Sloga-Kraljevo (2ª Divisão - Belgrado)1980-1981 - Ferroviário da Huíla (Girabola - Angola) 1981-1986 – FC Zemun (1ª Divisão) e treinador da Selecção júnior - Belgrado1986-1988 – FC Talia-Kweitn (Divisão Amadora - Belgrado)1998-1989 - Seleccionador Nacional de Sub-16 da República da Guiné 1989-1992 – FC Bezanija (2ª Divisão - Belgrado)1992-1993 - FC Reiquiswik (1ª Divisão da Islândia)1993-1996 - FC Sologa (1ª e 2ª Divisão – Sérvia)1996-2002 - Director Desportivo FC Sloga - 1ª e 2ª Divisão- Sérvia2007 – Director Técnico da Escola de Desportos Jokas Sport - Luanda 2010 - Treinador do Progresso do Sambizanga – (2ª Divisão Angola)