Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

"Espero por uma oportunidade"

14 de Novembro, 2014

Celso trabalha na Seleco Nacional de honras que prepara o duplo compromisso

Fotografia: Santos Pedro

A terceira convocatória do seleccionador Romeu Filemon, para os jogos com o Gabão no dia 15 do corrente, em Luanda, 19 (quarta--feira), em Ouagadogou, para além dos estreantes Dário (Recreativo do Libolo) e Lelas (Sagrada Esperança), ficou marcada com a chamadas de três jovens promessas do futebol nacional: Celso (Progresso Sambizanga), Carlinhos (Petro de Luanda) e Mega (Real Sambila).

Os três futebolistas, que estão catalogados entre os 50 jovens promissores do nosso futebol, mas pouco conhecidos pelo público, ganharam voto de confiança, nesta primeira fase, do técnico Romeu Filemon. Celso, Carlinhos e Mega são meio-campistas. Ou seja, os três talentos pisam aquele terreno do campo que tanto a nossa selecção precisa.

O médio Guilherme Francisco Saiendo Cabuço "Celso" joga em qualquer posição do meio campo, embora prefira no centro. Não possui o físico imponente que caracteriza muitos médios da actualidade, mas destaca-se pela leitura de jogo, elevado sentido de posicionamento, qualidade de passe, capacidade de liderança, muita personalidade em campo, atributos que o fazem impor nas camadas jovens do Progresso Sambizanga e assumir a braçadeira de capitão.

O fruto do trabalho que realiza no clube sambila, mereceu agora a oportunidade de ser chamado para os Palancas Negras. O jovem revela potencial, mas precisa de familiarizar-se com os seniores, para desenvolver a sua progressão, pois pode ser um "banco de luxo".

O médio Celso reconhece, em entrevista ao Jornal dos Desportos, que recebeu com satisfação, mas também com grande surpresa, à sua chamada à Selecção Nacional de honras. Diz estar a viver um grande momento e que tem recebido o carinho e ajuda de muitos consagrados, casos do capitão Gilberto, Love Cabungula, Ary Papel, Elber e Adão.

Qual foi a sua reacção ao ser convocado pela primeira vez para a Selecção Nacional de honras ?

Foi com grande satisfação, mas também com grande surpresa.

Que impacto teve o seu primeiro contacto com os consagrados Palancas Negras?

Fui recebido de uma forma cordial, pelo seleccionador nacional, equipa técnica, funcionários da Federação e colegas. Acolheram-me com simpatia e carinho, principalmente o capitão Gilberto, Adão, Love Cabungula, Ary Papel e o Elber, porque viram em mim uma certa timidez, como é óbvio. Puxam por nós, dão-nos a conhecer o regulamento disciplinar, para o cumprimento escrupuloso dos horários (treinos, refeições e repouso), e aquelas brincadeiras, quando estamos em estágio. Foi a minha primeira vez, numa concentração da selecção de seniores e num Hotel de cinco estrelas. Encontrei um ambiente tranquilo, senti a alegria e satisfação de todos. Estar no meio de profissionais é uma grande honra e muito me orgulha. Obviamente, que a estrutura de um clube em relação a selecção é muito diferente.

Esperas por uma chance nos jogos com o Gabão e o Burkina Faso ?

Foi-nos dado um prémio de oportunidade, de estar em contacto com as Palancas Negras, de treinar com eles, para partilhar as suas vivências, de forma a um maior crescimento, uma maior aproximação, enraizar valores, que serão úteis no futuro. Sei que é difícil, mas não impossível. Tenho consciência que tenho de esperar por uma grande oportunidade. Sonhar não é proibido.
Vamos chegar lá, porque o trajecto de formação faz-se essencialmente de evolução, preparação e  muita ambição. Portanto, o professor Romeu Filemon está a potenciar jogadores das camadas de formação . Isto é bom para mim, para o meu clube, para as selecções e para o futebol em geral.

Este o seu sonho?

Desportivamente falando, mas o meu grande sonho passa por terminar os meus estudos e arranjar um bom emprego para ajudar os meus pais.

Com quem divides o quarto na Selecção Nacional?

 Com o Mega, do Real Sambila, e um grande companheiro, um bom camarada.


PROGRESSO SAMBIZANGA

"Clube faz excelente trabalho na formação"


O médio Celso apenas joga pela equipa de juniores do Progresso Associação Sambizanga. Contudo, o seu nome tem sido bastante referenciado por alguns clubes nacionais.O jovem diz estar a par disso e lamenta que esse reconhece vem de fora do clube que representa.

Mesmo com esse "assédio" por parte de muitos clubes, Celso disse na entrevista ao Jornal dos Desportos que está apenas concentrado na equipa do Progresso Sambizanga. Ou seja, não pretende deixar o clube sambila.

 Mesmo sem ter ainda subido de categoria, o seu nome tem sido especulado em alguns clubes nacionais...

– Sei que tenho sido tema de várias discussões no meio futebolístico luandense, com uma certa relevância, após a minha chamada à Selecção Nacional de seniores. Mas, a minha  intenção é não sair.

O meu clube tem feito um excelente trabalho de base, mas infelizmente, o escalão sénior “despreza” essa franja, preferindo a contratação de jogadores vindos de outras paragens. Nem se apercebem da concorrência de alguns clubes nas suas principais peças do escalão de formação.

O Celso não esconde a satisfação por teres sido chamado por Romeu Filemon. No seu clube, o técnico Lúcio Antunes já o convidou para treinar com os seniores para a familiarizar com o grupo?
– O mister Lúcio Antunes se calhar não me conhece.

Sentes-te triste ?
Triste ? Não! Sou muito jovem, tenho 19 anos de idade e muito caminho para percorrer. Contudo, o mister Lúcio Antunes é que toma a decisão. Ele é que sabe, quais os jogadores juniores que devem treinar com os seniores.

Que opinião tens sobre o acompanhamento que os dirigentes dos clubes fazem aos escalões de formação ?

Celso – Acho que devia haver mais apoio, mais estímulos.


RECONHECIMENTO
Iniesta é fonte de inspiração


O médio internacional espanhol Iniesta, do FC Barcelona, tem sido a fonte de inspiração do jovem Celso, do Progresso Sambizanga, convocado por Romeu Filemon para os trabalhos da selecção de honras que prepara o duplo compromisso com o Gabão e Burkina Faso, referente às eliminatórias à fase final do CAN 2015.

Isso, de acordo com o jovem Sub-20 sambila, faz dele um jogador com potencial, pois tem sabido colocar em prática o que aprende com aquilo que o seu ídolo faz. 

Estudante da 12ªclasse, do Curso de Ciências Física e Biológica, do Puniv  "22 de Novembro", em Luanda, a promessa que o Progresso Sambizanga deu aos Palancas Negras, iniciou a sua carreira no ano de 2005, no clube sambila, e durante três anos ( de 2006 a 2008) jogou pela Escola Norberto de Castro.  

Quem é a sua grande fonte de inspiração?
Inspiro-me num grande centro campista, o espanhol Iniesta. Praticamente, vejo todos os seus jogos e vídeos. Acompanho todas jogadas que passam por ele, as assistências espectaculares, movimentações rápidas, conserva muito bem a bola quando necessário for, uma visão de jogo invejável.

De onde nasceu o sonho para ser jogador de futebol?
– Não nasceu um sonho, mas sim, um desejo.

Como surgiu este desejo?
– Foi natural, no bairro Sambizanga, como qualquer criança. Mas, oficialmente, comecei aos dez anos, no Progresso em 2005, no escalão infantil, orientado pelo mister Gagá. Em 2006, representei a Escola Norberto de Castro, por orientação do meu irmão que lá jogava nos seniores. Foram três anos de glória, tive a oportunidade de participar nos nacionais de juvenis em Malanje e Benguela. Tínhamos uma grande equipa formada por Yelé, Cabila, Ferreira, Ti Nando e tantos outros. Posteriormente, representei os Habilidosos do Rangel, tínhamos igualmente uma maravilhosa equipa com Nick, Dadas, André , Catarino, Varex, Edmilson, Jelson, Dário e outros, orientados pelo mister Poeira. Como os bons filhos voltam a casa, regressei às origens, ao meu Progresso desde 2011, por recomendação de Salviano Magalhães, o Man Tay, e do mister Borró.