Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Espero trazer para o pas uma medalha continental

11 de Junho, 2011

Alberto Augusto Carvalho foi convocado para os trabalhos da pr-seleco nacional

Fotografia: Jornal dos Desportos

De apanha-bolas, passou a aluno de Augusto Pinto “Ganino”, o tenista angolano melhor classificado de sempre. Com o professor “Ganino”, treinou, evoluiu e aprendeu tudo o que procurava naquele momento. “Treinei bem, sou humilde e tenho os pés bem assentes na terra”, disse.
Hoje, estão reveladas as suas qualidades como talento na modalidade. Com quatro anos de prática, tem já no seu palmarés uma Taça de Angola. Neste momento, integra os trabalhos da pré-selecção nacional de seniores, que vai participar nos Jogos Pan-africanos, em Setembro próximo, em Maputo (Moçambique). “Qualquer jogador sonha com a Selecção”, sublinha o tenista.

Quando começou a praticar ténis?
- Eu era apanha-bolas, como os outros miúdos. Isso tornou-se uma paixão crescente. Temos de acreditar naquilo que temos. Nós somos tão bons ou melhores que os outros. É preciso é acreditar e fazer por isso todos os dias. Quanto mais trabalho, mais sorte pareço ter.

Por que tomou o rumo do ténis de campo?
- O ténis de campo esteve sempre presente em todos os momentos da minha vida. A modalidade é de fácil adaptação, possibilita uma aceitação imediata dos praticantes.

Acha que a prática se tem tornado mais popular nos últimos anos?
- Sim, pois antigamente só tinha o ténis em Luanda. Hoje, já temos muitas pessoas com iniciativa para fazer acontecer também noutras localidades. É um trabalho difícil, mas progressivo.

Como é a sua preparação?
- Treino sempre de madrugada, às 5h30.

Qual foi a conquista mais importante da sua vida?
- Sem falsa demagogia, foram os amigos que conquistei no desporto. Fui finalista de uma Taça de Angola. Agora, se me perguntam sobre o maior desafio da minha vida, com certeza que é: “Quero desafiar apenas os meus limites, mas nunca os da natureza.

O que tem em mente para este ano?
- Continuar a fomentar o desporto, e espero trazer para o país uma medalha continental. Em suma, estas são as novidades para este ano.

Neste momento, o que vale realmente o ténis a nível internacional?
- Nos últimos anos, a modalidade mostrou ser uma das mais fortes a nível continental, sobretudo com mais resultados positivos. Isso quer dizer que não são apenas um ou dois atletas que estão a um nível elevado. As medalhas até aqui conquistadas resultam, portanto, de um projecto que considera estar bem sustentado... - Desde há alguns anos, tem-se assistido a um crescimento acentuado da modalidade. Por essa altura, ficamos todos contentes.

O que acha da realização de torneios permanentes?
- Os torneios são importantes na formação dos jogadores, pois fazem parte do crescimento. Acredito que, com mais torneios, pode-se formar bem um tenista, que vai estar pronto lá pelos 21, 22 anos e, aí sim, é hora de entrar de cabeça nos torneios competitivos.

Vale a pena arriscar a sua vida por essa causa?
- Nenhum de nós, estaria no ténis de campo se não tivéssemos muita paixão, defendendo o clube e a nossa bandeira nacional.

O ténis de campo está no caminho certo?
- Sim, se há algum tempo só tínhamos essa sensação, agora temos as provas. Existe um clima instalado de vitória e isso ajuda muito. Agora, há mais gente a praticar a modalidade em todo o país. As províncias da Lunda-Norte e Huíla são grandes exemplos.

Quem é quem...

Nome: Alberto Augusto Carvalho
Idade: 20 anos
Natural: Luanda
Nacionalidade: Angolana
Estado civil: Solteiro
Peso: 56 Kg
Altura: 1, 62 cm
Modalidade: Ténis de Campo
Clube: Clube de Ténis de Luanda (CTL)
Prato preferido: Calulu de carne seca
Fuma: Não
Bebida: Sumos naturais
Calçado: 40
Conduz: Não
Casa própria: Não
Filmes: Comédia
Religião: Católica
Musica: Semba
País: Angola
Cidade: Luanda
Praia/Campo: Praia
Cor: Azul
Maior sonho: Ser campeão mundial
O que mais detesta: Mentiras