Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

"Estamos bem servidos"

João Francisco - 14 de Dezembro, 2017

Jair Carapinha quer actuação imparcial da Federação Angolana de Ciclismo

Fotografia: João Francisco | Edições Novembro

O empresário Jair Carapinha, proprietário da equipa Jair Transporte, encarrega-se do processo de recuperação da hegemonia do ciclismo benguelense. Em entrevista ao Jornal dos Desportos, descreve as linhas com que vão coser o projecto de desenvolvimento. Benguela  foi o principal pólo de desenvolvimento do ciclismo angolano. Com o decorrer dos anos, perdeu o “estatuto” para Luanda.


Que sentimento lhe vem à alma pela conquista do segundo lugar no campeonato nacional por equipas de ciclismo de Angola?
Sinto-me muito honrado com o título (vice -campeã nacional), apesar de termos perdido o nosso quarto homem muito cedo, e em consequência termos perdido noutras categorias, como a de contra -relógio, por poucos segundos.

A Jair Transportes foi indicada para representar o país no Tour do Burkina Faso, na que seria a segunda internacionalização desde a criação da equipa. Que motivos estiveram na origem da desistência, à última hora?

A Federação Angolana de Ciclismo garantiu que só custeávamos os bilhetes de passagem. Quinze dias depois, a mesma instituição informou-nos que tínhamos de assumir também os custos gerais da nossa estada, ou seja, despesas no valor de sete mil dólares norte-americanos. Efectuadas várias tentativas, não conseguimos adquirir o valor nos bancos comerciais. Essa, é a razão da nossa ausência na competição de Bourkina Faso.

Aparenta assumir a 100 por cento as despensas da equipa. Até quando isso é verdade?
Tenho outros apoios de empresas, como a Pesca Fresca, Cuca, Congele, Edilson Castro Lda e Clawana.

Que objectivos estão definidos para a época 2018?

Ganhar todas as competições com humildade, dedicação e respeito para com todas as equipas adversárias.

Qual é a realidade do ciclismo benguelense?

Benguela tem quatro equipas no activo e estamos bem servidos. O número aumentou para o dobro. Das tradicionais formações como a Marcenaria Muxima ou o Hotel Luso, que tem como o padroeiro o atleta veterano Alberto Silva “Pepino” e a Jair Transportes, existem mais duas equipas: a Mab e a Duas Rodas. Contudo, apelamos a outros empresários a constituírem equipas.

Que relacionamento existe entre a Jair Transportes e as restantes equipas nacionais?
O nosso relacionamento é salutar; é bom.

O que falta para a província de Benguela candidatar-se à organização e realização de uma edição do Campeonato Nacional de Ciclismo de Estrada?
Benguela já é candidata a albergar o Campeonato Nacional de 2018, e também nos foi prometido esta oportunidade pela Federação Angolana de Ciclismo, na voz do próprio vice-presidente desportivo, Justiniano Araújo, no final do Campeonato Nacional realizado em 2017 na Província do Bengo. Se assim for, tudo vamos fazer para que a promessa se concretize com êxito.

Uma palavra de apreço à mulher que dirige a Federação Angolana de Ciclismo...

Que seja uma presidente mais presente, e que apoie todas as equipas angolanas.

Quem é Jair Carapinha fora dos meios do ciclismo?
Sou uma pessoa vertical e verdadeira. Um homem que vive para a família e amigo dos meus amigos. Detesto hipócritas.