Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

\"Fartei-me de aturar o Progresso da Lunda-Sul\"

Ant?nio Felix - 08 de Agosto, 2017

Florindo

Fotografia: Santos Pedro / Edicões Novembro

Jornal dos Desportos - A direcção do Progresso da Lunda Sul emitiu um comunicado em que dá como suspensa a sua ligação com o clube. Da sua parte considera que são justos os fundamentos adiantados publicamente para o fim da relação laboral-desportiva?
 
Floriano \"Quipossoa\" -  Da minha parte, não há suspensão alguma. O que existe sim é uma posição musculada e unilateral da direcção do Progresso da Lunda Sul que nem sequer explica por que razão a relação chegou  a um estado de saturação, devido a alguns incumprimentos do que tinha ficado estipulado a respeito do meu cargo, minhas competências e direitos como director desportivo.

Jornal dos Desportos - Que razões ou factos concretos poderá apontar como sinal de não cumprimento?


Floriano \"Quipossoa\" - Aborreci-me e fartei-me de aturar brincadeiras no Progresso da Lunda Sul. Não posso compreender nem aceitar o facto de, por exemplo, de Janeiro até Agosto, deste ano, ficar sem receber algum salário ou prémios de jogos.

Jornal dos Desportos - Quando chegou a acordo com a direcção do Progresso da Luanda Sul teve garantias de que tudo seria cumprido pontualmente ou foram-lhe, desde já, avançadas, possíveis dificuldades ao longo da época em que trabalharia como director do clube?

Floriano \"Quipossa\" - Está tudo reduzido a escrito, mas nunca vi um kwanza das minhas luvas contratuais?

 Jornal dos Desportos - Não estará a dramatizar só  porque a direcção do clube  agora o suspendeu?

Jornal dos Desportos - É preciso viver a realidade do clube  para sabermos das coisas. Na direcção do Progresso  da Lunda Sul ainda vive-se de anti-profissionalismo. Utiliza-se a equipa de futebol para formarem-se grupos, dando-se, entre eles, poderes e cargos.

Jornal dos Desportos - Então, até onde, ou aonde, é que chegavam  as suas competências, tendo em conta que, sendo  até o Progresso da Lunda Sul um clube que se rege pelas leis desportivas do país, ter o dever de respeitar o papel de cada órgão dentro de um clube?

Floriano \"Quipossoa\" - Não estou a falar  por motivo de revolta pessoal contra alguém nem por qualquer outro tipo de eventual revanchismo. O certo é que no Progresso da Luanda Sul notei que  até o seccionista, o massagista, o secretário têm mais poderes do que o director desportivo. Subalternizam-no. Isso não podia nem, pode acontecer.

Jornal dos Desportos -
Não acha que a direcção decidiu dispensá-lo, por via da suspensão, porque considerou irrelevante a sua função e desempenho?

Floriano \"Quipossoa\" - Modéstia à parte, eu sou muito profissional. Sinto-me capacitado para o trabalho em relação ao qual assinei contrato. Sinto que é muito mau trabalhar com pessoas falsas, pessoas que no dia a dia só fazem intrigas. Eu não sou disto. Há muita intriga no clube. Isso na direcção até parece  ouro. Quem chegar primeiro a falar mal do colega é considerado como filho.

Jornal dos Desportos -
Considerado como filho como?
Floriano \"Quipossoa\"  - As pessoas nesse clube não respeitam o posto de trabalho de cada um. O Progresso da Lunda Sul é, por exemplo, o  clube com mais logísticos não registados.

MARGINALIZAÇÂO
“Andei a pé e impedido de viajar”

Jornal dos Desportos -
Além dos salários não pagos e a falta de luvas, viveu outras más situações?

Floriano \"Quipossoa\" -  Sim, foram várias as vicissitudes. Como director desportivo já cheguei a ser proibido de viajar com a equipa porque o meu nome não estava na lista. Certa vez, fomos a Calulo e, chegados lá, eu não tinha quarto. É muita brincadeira de mau gosto.

Jornal dos Desportos - Na hierarquia do clube há uma direcção com um presidente. Qual é a solidariedade que particularmente proveio deste órgão face a todas estas peripécias que está a relatar?

Floriano  \"Quipossoa\" -
O presidente do clube tem me usado muito. Só me precisa quando precisa de um auxilio urgente. Não tem uma direcção com cabeça, tronco e membro.

Jornal dos Desportos - Então o presidente de direcção nunca o apoiou na sua missão fora dos casos de urgência?

Floriano \"Quipossoa\" -
Uma direcção de verdade deve respeitar muito o trabalho de um director desportivo, porque é também um gestor do clube, é o representante do presidente do clube e um pilar no organigrama e implementação de trabalho.

Jornal dos Desportos - Teve pelo menos condições materiais para trabalhar, um gabinete, por exemplo?

Floriano \"Quipossoa\"
-Em Saurimo o director vive com os jogadores, anda a pé da residência até ao campo ou até a sede. Se tiver dinheiro apanha uma  ´cupapata´. Quando fica doente compra os seus medicamentos sozinho.             A.FÉLIX

REVELAÇÂO
“Usam o futebol como brincadeira”

Jornal dos Desportos - Apesar dos meses em que diz não ter recebido todos os salários e luvas contratuais, certamente que, ao serviço do clube, fez também  coisas relevantes. Pode apontar algumas?

Floriano \"Quipossoa\" -  De facto já criei várias oportunidades para o clube junto de várias empresas, mas algumas pessoas não são sérias. Usam o futebol como uma brincadeira de mau gosto.

Jornal dos Desportos - Não sendo embora o presidente ou gestor principal do Progresso da Luanda Sul, conseguiu, apenas enquanto director desportivo, dar ideias ou fórmulas para o clube evitar as dificuldades financeiras? 

Floriano \"Quipossoa\"- Trabalhei a cem por cento, dando todo o meu máximo, desde Luanda antes da pré-época e no Lobito. Criei oportunidades. Posso dizer que se hoje em dia a equipa utiliza o equipamento português com a marca CDT fui eu mais ninguém quem falou com a fábrica.

Jornal dos Desportos - Refere-se a material que a equipa está a utilizar no Girabola Zap?
Floriano \"Quipossoa\" -Sim. E também se hoje estão enumerados os equipamentos é graças a mim. No princípio, implementei a lista de presenças dos jogadores. Várias vezes ajudei e aconselhei o clube a pensar no positivo, mas tudo caiu num grupo de amigos que considera-se dono do clube, que não respeita os outros.

Jornal dos Desportos - Por que não fez estas revelações antes? Sentia-se intimidado?
Floriano Quipossoa - Nunca me senti intimidado. Falo tudo aquilo que vivo como realidade no clube onde cada um dá-se a si mesmo um cargo.

Jornal dos Desportos -
E com estas revelações não teme represálias?
Floriano Quipossoa -  Não senhor, porque até já tratei de casos neste clube utilizando os meus próprios valores. Um clube onde o secretário está inscrito duas vezes só para ter dois salários, sabendo que é amigo ou sobrinho de alguém que não lhe vai falar nada é mau.                            
A.FÉLIX

NOUTRO ÓRGÃOS EM BUSCA DE JUSTIÇA
“Já escrevi para a FIFA
e a outras instituições”


Jornal dos Desportos - Além da Federação Angolana de Futebol recorreu, por acaso, a outras instituições ligadas ao desporto no país ou mesmo fora para fazer valer os seus direitos?

Floriano Quipossoa - Não podia ser de outra forma. Tenho documentos que chegam já amanhã ao Gabinete Jurídico da Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA), nomeadamente, a cópia do meu contrato autêntico, a  cópia do Bilhete de Identidade, a cópia da minha licença e o meu passe de identificação de  director desportivo do Progresso da Lunda Sul.

Jornal dos Desportos - Tendo em conta as experiências anteriores, muitas delas recentes, de treinadores, de atletas e de dirigentes do nosso futebol que apenas ameaçaram recorrer à FIFA face a supostas injustiças dos clubes, mas sem decisões públicas que se conhecem da FIFA, acha que a sua denúncia terá resultado?

Floriano \"Quipossoa\" - Eu acho que quando existem maldosos e mal criados do futebol as sanções funcionam. Eu tenho tudo nas ´mãos´ da FIFA e ela não costuma  ser implacável em casos de injustiças salariais ou contratuais.

Jornal dos Desportos - Não seria curial aguardar primeiramente por uma decisão interna, sem recurso às instâncias às quais recorreu?

Floriano \"Quipossoa\" - Se já me prejudicaram alguém vai pagar por isso. Sabemos que a FIFA não tolera nem brinca com situações desta natureza. Mas também já tenho em posse as cartas para dar a conhecer à Procuradoria Geral da República, à Casa Civil da Presidência da República, ao Mapess e ao Ministério da Juventude e Desportos.                
A.FÉLIX

INTERNAMENTE
“A nossa FAF ditará
uma decisão séria”


Jornal dos Desportos - Como é que pensa fazer valer junto da Federação Angolana de Futebol os direitos que reclama se agora está suspenso?

Floriano \"Quipossoa\"- Estou descansado porque vão pagar o dobro e pedirão desculpas.

Jornal dos Desportos -
A Federação Angolana de Futebol tem regulamentos e órgãos que aferem de cumprimentos ou incumprimentos laborais, particularmente contratos dos clubes com atletas, treinadores e dirigentes. Já consultou estes instrumentos?

Floriano \"Quipossoa\" -
Na verdade fiz e é  necessário que a Federação Angolana  de Futebol tome atitudes. Sei que ditará uma decisão séria, directa e dura, contra atitudes de anti-profissionalismo, desumanas e aventuras dentro de um clube da primeira divisão que compete no Girabola Zap onde um director desportivo é abandalhado. Isso  não pode acontecer sobretudo quando por via de intrigas.

SUGESTÃO
“Quem patrocina deve
fiscalizar toda gestão”


Jornal dos Desportos - No tempo que esteve no activo, no cargo de director desportivo, como é que lidou com os jogadores da equipa que está a competir no Girabola?

Floriano \"Quipossoa\" - O que pressenti, às vezes, é que os patrocinadores dão dinheiro para o pagamento de três ou quatro meses de salário, mas o grupo de amigos que lá se encontra e os intriguistas têm a coragem de não cumprir. Pagam aos jogadores prémios de jogos os cem mil kwanzas a cada, para estes aceitarem continuar a treinar.
Jornal dos Desportos - Há provas palpáveis para esta afirmação?

Floriano \"Quipossoa\" - Não citarei directamente nomes, mas, hoje em dia há o chamado fenómeno ´ micha´(comissão) que, a meu ver, deve acabar na totalidade para se evitar desfalques e roubos de valores. Quem patrocina deve requerer todas as coordenadas bancárias dos atletas, funcionários do clube e fazer depósitos directamente. Isto ajuda a cortar muitos vícios daqueles que estão habituados a prejudicar os atletas. Se os patrocinadores não aceitarem fazer isto então estarão a colaborar.

Jornal dos Desportos - No caso do Progresso da Lunda Sul alguma vez os patrocinadores ouviram-no enquanto director desportivo para eventuais fiscalizações do que prestam financeiramente ao clube e, por via disto, aos atletas?

Floriano \"Quipossoa\" - Nós ou vamos organizar o futebol ou vamos fingir que temos um clube no Girabola. Há atletas a alimentarem-se pessimamente. Há falta de água no tanque para beberem e, até, para lavarem os seus equipamentos.  Aconselho as pessoas para, antes de irem a um clube, primeiro perguntarem bem, porque existem paredes bem pintadas mas o chão é falso.
AF