Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Humberto critica estado do futebol

Jorge Neto - 23 de Janeiro, 2016

O técnico Humberto Chaves, criticou ontem o estado actual do futebol nacional

Fotografia: M.Machangongo

O técnico Humberto Chaves, criticou ontem durante uma  entrevista ao Jornal dos Desportos, o estado actual do futebol nacional e atribuiu o facto, em grande parte, à qualidade de treinadores que trabalham no país, e considerou “muitos são formados em papoterapia”.

O quadro, de escalões de formação no Clube Desportivo 1º de Agosto, lamentou o facto de nos dias que correm existirem no país, poucos técnicos de correcção em relação aos anos anteriores, apela ao regresso dos mesmos já que alguns estão no esquecimento.

“Penso, que podíamos fazer melhor, infelizmente hoje temos mais pessoas formadas em ´papoterapia´. Hoje temos poucos treinadores de correcção, como eram os casos de, Carlos Queirós, Arnaldo Chaves, Carlitos Romão, Kota Cuca, Abegá e mais recentemente o Tio Nandinho, Mário Soares, Chibia, MM, António Barbosa,  desculpem-me  os colegas que no momento não me vêem à mente”, disse.

Humberto Chaves é de opinião, que as direcções dos clubes, sem excepção, deviam gizar  programas de vistas de recuperação a alguns treinadores, que contribuíram para a  formação de várias estrelas do futebol nacional.

"Penso que devemos recuperar alguns desses treinadores que citei, não estão no activo, mas ainda têm muito para dar ao futebol nacional ”, referiu.
Chaves, ao serviço do 1º de Agosto conquistou a Taça de Angola em 2009 e classificou o conjunto militar na fase de grupos da Taça da Confederação, trabalha nesta altura nos escalões de formação do clube, um projecto ambicioso.

“Neste momento, estamos com um projecto de sequência,  vamos torcer para que a gente continua a dar sustento a ele (projecto), para que num curto espaço de tempo consigamos colher os frutos das sementes que estão a ser plantadas”, disse o técnico do clube militar, ansioso por "lançar" no mercado nacional  mais jogadores como Ary Papel e Gelson.


FORMAÇÃO NO BRASIL
Angolano satisfeito com nível IV


O treinador dos escalões de formação do 1º de Agosto, Humberto Chaves, está apto para orientar qualquer equipa do futebol profissional. O vencedor da Taça de Angola em 2009, concluiu no Brasil o curso de nível IV, o último da Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA).

“Penso, que foi um curso muito bom, finalizei o meu período de formação do IV nível, o último,  penso adquirir mais conhecimentos para que possa contribuir para o desenvolvimento do futebol em Angola”, disse o experiente técnico, e acrescentou  que “o último nível habilita-me  a treinar qualquer equipa do futebol profissional. É nesta vertente que ano após ano  invisto nisso para que possa dar mais, em primeiro lugar, como é lógico em Angola, e quiçá, fora do país, se aparecer uma oportunidade”, garantiu.

Destacou a experiência que tem acumulado na acção formativa em terras do samba, faz fé de que “estes cursos são sempre bem-vindos, são mais experiências que nós  adquirimos e em atenção aos anos que tenho de futebol, hoje estou muito mais habilitado para dar o meu contributo para o futebol do país, tanto no futebol jovem como no profissional”, realçou.

Humberto Chaves referiu-se, igualmente aos clubes em que realizou o estágio e algumas matérias que foram objecto de estudos.

“O curso baseou-se em aulas teóricas, práticas e a nível de grupo fiz o estágio no clube Flamengo, Corinthians e no Botafogo. Em relação as matérias, tivemos metodologia de treino, fisiologia, nutrição, aulas práticas em relação a montagem e desmontagem da equipa, análise e desempenho, enfim, tivemos muita matéria”, apontou.

PALANCAS NO CHAN
“Podíamos ser mais equipa”


O treinador de futebol, Jorge Humberto Chaves, admitiu ontem em Luanda que o nervosismo foi uma das principais causas que originaram a derrota dos Palancas Negras com a RD Congo, em jogo do grupo B do Campeonato Africano das Nações que decorre no Rwanda.

Em declarações à Angop, o técnico referiu que os minutos iniciais foram de muita pressão da parte do adversário, que muito cedo notou as fragilidades de Angola, com particular realce para o nervosismo e a falta de sintonia entre a defesa e o meio campo, onde os Palancas Negras perderam muitas bolas, de entre as quais algumas originaram em golos do Congo.

“ Penso que podíamos ser mais equipa, os nossos jogadores tiveram mais falhas do que na primeira jornada com os Camarões. Fomos mais reactivos do que proactivos, sobretudo, na segunda parte” realçou.

O treinador referiu, que a RDC também apresentou fragilidades na segunda parte, porém, já tinha construído uma larga vantagem, sobretudo do ponto de vista físico e Angola limitou-se a correr para chegar ao empate, mas sem sucesso.

Ao intervalo o conjunto nacional perdia por 3-0, com golos de Munganga (18m), Meschak Elia (18m) e Bolingi (38m). No reatamento, Gelson ainda deu esperanças aos angolanos, ao marcar aos 75 minutos, mas Bokadi Bope ampliou para os congoleses, aos 80m, para um minuto depois Kimwaki fazer um auto - golo.


NACIONAL DE SUB-20
Chaves reprova
nível competitivo


O nível técnico do Campeonato Nacional de futebol na categoria de Sub-20, que decorre até amanhã na cidade de Luanda, é tido como "baixo" pelo treinador dos escalões de formação do 1º de Agosto, Humberto Chaves, que já orientou o Desportivo da Huíla na Primeira Divisão.

De acordo com Humberto Chaves,  no escalão de transição (Sub-20), os atletas que estão a competir deviam apresentar-se mais preparados em todos os aspectos, o que não acontece.

“O nível competitivo, do Campeonato Nacional de Sub-20, devia ser melhor. Em relação aos jogos que eu já tive a oportunidade de ver, os atletas do escalão de transição  deveriam estar muito mais preparados. Mas infelizmente, é isto que nós temos, são poucos os clubes que investem a nível do futebol jovem”, analisou.

Com base nessa realidade, Humberto Chaves apela às direcções dos clubes nacionais que façam  mais investimentos nos escalões de formação, para que haja melhoria no futebol nacional.“Faço um alerta para que mais clubes invistam no futebol jovem, para que tenhamos jogadores com mais qualidade e consequentemente campeonatos muito mais equilibrados e competitivos, porque só há evolução e progresso quando há equilíbrio”, apelou o técnico, que tem 15 títulos no seu curriculum, desde as categorias de base ao futebol de alta competição.
JN


INCENTIVO
“Devemos apostar na superação”


O antigo treinador do Clube Desportivo da Huíla, que é quadro técnico do 1º de Agosto,  Humberto Chaves, assegurou durante a  entrevista ao JD, que com a obtenção do  certificado de nível IV não fecha a possibilidade de voltar a orientar uma equipa de seniores, apesar de ser um quadro do clube agostino.

“Sabem, que sou quadro ligado ao clube1º de Agosto, mas o meu futuro só a Deus pertence. Neste momento, estou no 1º de Agosto, mas tento sempre dado o meu melhor no clube em que estou enquadrado. Agora, quanto ao futuro, a Deus pertence”, disse o treinador, ávido em treinar novamente, uma equipa de seniores.

Humberto Chaves endereçou uma palavra, aos seus colegas de profissão, para que continuem a actualizarem-se cada vez mais, de modos a serem melhores no desempenho das suas actividades.

“Penso que hoje, mais do que ontem, devemos procurar-nos actualizar. Devemos apostar na nossa superação. A maioria dos meus colegas também estão nesta vertente e pensamos que agora com a criação da nova Associação de Treinadores, tudo está a ser feito para que haja muitos mais cursos, para que possamos superar as nossas limitações e estarmos mais preparados para a carreira profissional”, concluiu.   
 JN