Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Jacek aposta no troféu de melhor marcador

Jorge Neto - 14 de Fevereiro, 2016

Avançado minimiza concorrência no ataque sambila e promete dar o seu melhor para ajudar a equipa alcançar os seus objectivos

Fotografia: Jornal dos Desportos

O atacante Jacek, um dos reforços da equipa do Progresso Sambizanga para época futebolística 2016, disse em entrevista ao Jornal dos Desportos ter em carteira duas prioridades no novo desafio da sua carreira. 

O atleta aponta a conquista do troféu de melhor marcador do Girabola ZAP 2016 e  a Taça de Angola, como os objectivos no ano de estreia com a camisola sambila.

O ex-jogador da Académica do Lobito, reconhece que a tarefa não é fácil, a julgar pelos investimentos dos adversários, ainda assim acredita no seu potencial para concretizar este desiderato.

"Todas as equipas envolvidas nas competições que se avizinham, Girabola e a Taça de Angola, traçaram objectivos primordiais para esta época. Uns apontam a conquista dos dois troféus, outras um, enquanto algumas almejam a melhoria da classificação", sublinhou.

"Por isso, acredito que vamos ter de suar bastante a camisola para ajudar a equipa a conquistar a Taça de Angola, bem como os lugares cimeiros da prova, o nosso primeiro objectivo para esta ano", precisou.

O atleta recordou que o troféu de melhor marcador é aposta de qualquer ponta-de-lança e ele não foge a regra. "Luto para isso desde o ano passado.
Fiz 10 golos, menos três que o actual meu  colega Yano, vencedor com 13 golos, o mesmo número de Meyong do Kabuscorp do Palanca", recordou.

O Polaco que este ano veste pela primeira a camisola do Progresso Sambizanga adiantou que a concorrência com Yano é um caso a parte, contudo, realçou que esperam formar uma dupla temível para os defensores contrário.

"Pela experiência que tenho, um atleta não se deve preocupar muito com os outros, pelo contrário deve se preocupar em fazer a sua parte, que passa acima de tudo por trabalhar e ganhar o sentido de equipa para  melhor jogar no colectivo", destacou.

Comentou que o objectivo é trabalhar "para o bem do grupo. Alias, acima de tudo está o clube e depois os interesses individuais", alertou.


TRANSFERÊNCIA
Atacante polaco concretiza sonho


O atleta sente-se regozijado por envergar a camisola do Progresso, um clube com tradição no futebol angolano. Admitiu que representar uma formação do capital do país esteve sempre nos seus planos.

"Tornei o meu sonho em realidade. Agora que estou em Luanda,  acho que tenho maior probabilidade de resolver os meus problemas, que passam, sobretudo, pelo aprimoramento da língua portuguesa para mais facilmente me inserir nesta sociedade", augura.

Jacek considerou o ambiente nas hostes dos sambilas como estável para os objectivos que perseguem.

 "O balneário é saudável. Embora seja o único europeu, existe aqui um grande espírito de camaradagem que é imprescindível para a integração de qualquer atleta", avaliou.

Embora fique no Progresso apenas por um ano, o polaco pretende constituir família cá no país para uma melhor estabilidade emocional e prosseguir a sua carreira num país que diz admirar bastante.

"Ainda não tenho filho, mas tenho esposa no meu país. A distância que nos separa tem atrapalhado muita coisa, por isso, nos próximos dias traze-la para Angola. Acredito que pode ser uma das melhores maneiras de encontrar equilíbrio emocional, ter a família próximo de mim", assinalou.


RECORDAÇÃO
"Foi difícil manter a equipa na I divisão"


Jacek recorda com emoção o último jogo que fez ao serviço do Académica do Lobito. Defendeu que este dia vai estar marcado para sempre na sua vida como profissional.

"Foi um dia que fica marcado para sempre na minha memória. Jogamos com o Libolo numa altura que lutávamos pela permanência e o adversário pelo título", explicou considerando que os objectivos que cada uma perseguia tornou a partida mais interessante.

"Não foi fácil, tremi porque tínhamos os ouvidos no jogo do Moxico, onde o Máquis também lutava pelo mesmo objectivo. Jogamos até a exaustão, aguentando toda a pressão do Libolo. Impulsionados pelo nosso público, conseguimos manter a equipa na primeira divisão", lembrou com alegria.

Deixa uma palavra de apreço a direcção dos estudantes do Lobito por acreditar e apostarem nos seus préstimos. "A Académica foi a minha primeira experiência em Angola e agradeço os dirigentes do clube por todo apoio que me foi concedido", completou.

O atleta guarda boas recordações do guarda-redes Wilson, seu antigo colega no Lobito e um dos impulsionadores na sua adaptação no primeiro desafio no futebol angolano.

"Tudo que conheço hoje sobre o Girabola, dou graças ao Wilson. Ele deu-me muita força, contou-me muita coisa sobre o Girabola e hoje estou bem informado para actuar em qualquer equipa, é um grande companheiro e reúne muita experiencia de Girabola, do qual bebi bastante", recorda.