Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Jos Carlos Guimares visualiza ttulos para o Interclube

Melo Clemente - 20 de Julho, 2010

Jos Carlos Guimares mostrou-se satisfeito

Fotografia: Jornal dos Desportos

Acabou de assinar pelo Interclube.O que é que a direcção lhe pediu para a época desportiva 2010/2011?O Inteclube tem um projecto muito ambicioso; projecto que visa primeiro dotar a nossa equipa de jogadores mais fortes, atletas que consigam em função da preparação e da competência dos treinadores estar entre as quatro melhores formações do país e, obviamente, também num projecto mais alargado, nos próximos três anos, fazer tudo para que o Interclube seja campeão nacional.Pelo naipe de jogadores que lhe foram colocados à disposição, é possível alcançar o primeiro objectivo que é colocar a equipa entre as quatro melhores do país?É possível.O plantel que estamos a construir e, em função da nossa competência aliada ao apoio e alto grau de profissionalismo que me tem sido dado pela direcção do meu clube, acredito na materialização do nosso objectivo que é estar entre as quatro forças do basquetebol nacional na próxima época. Temos a noção de que não será fácil, porque existem equipas como o 1º de Agosto, Recreativo do Libolo, Petro de Luanda e ASA que vão lutar pelo mesmo objectivo, mas estamos a reforçar-nos e com um trabalho cuidado, respeitando, naturalmente, os adversários, tudo faremos para alcançar a nossa meta.Como avalia o actual plantel do Interclube?É um plantel razoável.É importante realçar que o Interclube, mesmo antes da minha chegada a essa agremiação, já tinha os seus jogadores.A direcção fez contactos com outros jogadores e, nesse momento, estamos a trabalhar no mercado.Por aquilo que me é dado a conhecer, é que teremos uma equipa mais competitiva na próxima época. "Fala-se nos meandros da"bola ao cesto" que o Interclube já assegurou os concursos de Eduardo Mingas, José Nascimento, Simão Santos, Piorro Ilunga entre outros... O que lhe posso dizer e, por uma questão de respeito, é que gostaria de ter não só os jogadores que mencionou, mas também o Joaquim Gomes "Kikas", Carlos Morais, Olímpio Cipriano e tanto outros.O Interclube está a trabalhar; ver o que é preciso fazer. Nesse momento, até por uma questão de respeito, repito, ainda não está nada definido. Estamos a trabalhar como estão a trabalhar as demais equipas, mas tenho a certeza de que quando tudo terminar, refiro-me às contratações, o Interclube vai ter uma equipa mais competitiva em função do que há no mercado e, como é óbvio, em função da disponibilidade financeira.A direcção do clube vai poder responder as exigências do técnico no que às contratações dizem respeito?Penso que sim. Há uma coisa que também encontrei e que é satisfatório:o Interclube cumpre aquilo que promete.Nas poucas conversas mantidas com os atletas que já estão no clube há muito tempo, disseram-me que o Interclube cumpre religiosamente as suas promessas e estou satisfeito, porque uma das coisas que me fez aceitar foi o alto grau de profissionalismo com que fui tratado e um projecto muito ambicioso, no qual o Interclube não só se preocupa com a alta competição, mas está igualmente preocupado com a formação, de formas a que a curto prazo possamos colher os frutos desejados.Quais são as áreas que precisa reforçar mais?Todas. O plantel do Interclube ainda não está formado.Mas não estou muito preocupado, porque tenho plena confiança na competência da direcção do clube, na pessoa do seu presidente, para além do vice-presidente Miguel António "Camuligi", que tem sido a pessoa que trata os assuntos relacionados com o basquetebol. Estou perfeitamente à-vontade porque teremos uma equipa competitiva, de acordo com os objectivos do Interclube, que é ficar entre as quatro melhores equipas do país. Depois de conseguirmos essa meta, o passo seguinte será lutar para ir o mais longe possível.Mais longe possível significa dizer a conquista do título?Risos... Para ir ao título, primeiro, tem de se criar uma equipa altamente competitiva e com jogadores que fazem a diferença.E a direcção pediu-me no sentido de nos próximos três anos lutar para ser campeão nacional. Esta época, vamos lutar para estar entre os quatro e, na próxima, logo se vê.  Baterias viradaspara o continente Muito modesto nas suas ambições para a temporada 2010/2011, José Carlos Guimarães, afirmou que pretende tornar o Interclube numa equipa bastante competitiva a nível interno para posteriormente pensar em novos voos a nível do continente berço da humanidade."Se conseguirmos uma classificação que permita almejar outros voos vai depender da direcção do clube. Mas, o que queremos é que o Interclube seja grande e o Interclube grande antes tem de justificar no trabalho de casa para posteriormente pensar em competir ao lado das melhores equipas africanas".Entrementes, dada a escassez no mercado nacional em termos de atletas, a formação da Polícia Nacional vai apostar no mercado estrangeiro para reforçar o plantel, como fez saber José Carlos Guimarães. Abertura das oficinasacontece em Agosto Depois da prestação desastrosa na época transacta, na qual não foram para além do quinto lugar na classificação final do Bai-Basket’2010, o novo timoneiro do Interclube vai abrir as oficinas visando a época 2010/2011, a oito de Agosto próximo, com a realização dos exames médicos, considerando que os trabalhos de campo arrancam no dia 20 do mesmo mês.Para quando está prevista a abertura da próxima época desportiva?Vamos começar o nosso trabalho de campo no dia 20 de Agosto, mas os exames médicos começam a ser feitos a partir do dia oito. As duas ou três primeiras semanas serão divididas entre Luanda e Benguela e posteriormente seguiremos viagem para Lisboa, onde vamos realizar um estágio pré-competitivo.Quando teremos um Interclube já com o rosto de José Carlos Guimarães?Risos… É difícil dizer. Os jogadores que teremos são inteligentes e depois de saber que estou com Manuel de Sousa "Necas", uma pessoa muito experiente e que dispensa qualquer tipo de apresentação, além do Passos Manuel que vai transmitir-nos tudo aquilo que de positivo foi feito no ano passado, acredito que depois de um mês e meio, dois, a equipa já vai começar a ter uma imagem daquilo que pretendemos. Não vou precisar de muito tempo para que consigam começar a idealizar. Por outro lado, terei também de conhecer os jogadores.Estamos a trabalhar e creio que depois de dois meses, o Interclube terá já uma imagem daquilo que a equipa técnica pretende.E para quando um Interclube a ombrear de igual para igual com as equipas como Petro de Luanda, 1º de Agosto e Recreativo do Libolo?É evidente que queremos ombrear de igual para igual com as equipas que mencionou a partir da época que se avizinha. Por isso é que a direcção do Interclube trabalha, dando ao treinador as melhores condições em função da capacidade do clube. E tudo faremos para que o Interclube consiga ter no plantel jogadores que possam permitir ao treinador dentro da capacidade das suas limitações e do seu saber, treinar uma equipa com potencialidades para poder ombrear com as demais equipas. Organização do clubeimpressiona treinador O nível organizacional do Interclube liderado por José Martinez surpreendeu o antigo treinador do Promade Misto de cabinda, José Carlos Guimarães."Sinceramente nunca me passou pela cabeça que a formação do Interclube tivesse uma organização profissional.A organização e a disciplina são chaves importantes para qualquer instituição alcançar o sucesso.Estou satisfeito com aquilo que tenho encontrado; sou apenas mais um no clube. Sei que estão organizados e muito recentemente conheci alguns núcleos. Quais são os núcleos?Estive a trabalhar durante três dias na província das Ácacias rubras, Benguela, e fiquei muito encantado. Trabalhei com os treinadores, apresentaram-me o plano de necessidades e já fiz chegar à direcção do clube. Brevemente, vou conhecer o núcleo de Viana, Rangel, Cazenga e, posteriormente, abriremos também um núcleo na província da Huíla, concretamente, na cidade do Lubango.Falou de núcleos em Benguela, Luanda. Para quando nos outros ponto país?Tenho conhecimento de que, brevemente, a direcção vai abrir um núcleo no Lubango. Quem sabe, um dia esse Projecto se estende por todos os cantos do país! Naquilo que é pretensão do clube, sem fugir a sua linha de pensamento e a sua imagem, vamos ter uma única filosofia de trabalho que abrange desde os escalões de formação até à equipa principal. Por outro lado, vamos tentar ver aquilo que de bom é feito nos escalões de formação do Interclube, no sector feminino, porque são campeãs nacionais. É sinal de que estão a fazer um bom trabalho e, obviamente, vamos copiar para o sector masculino. "É uma honra trabalhar com Necas e Passos Manuel" Depois de ter colocado o Interclube na da Liga dos Clubes Campeões Africanos da "bola ao cesto", em 2006/2007, ano em que atingiu igualmente a final do Campeonato Nacional de Basquetebol em seniores masculinos, tendo perdido as duas competições, Manuel de Sousa "Necas" a par de Passos Manuel vão coadjuvar o talentoso técnico angolano, José Carlos Guimarães.Para o ex-técnico do Promade de Cabinda, a escolha dos técnicos acima referenciados foi a mais acertada."A direcção do Interclube pediu-me e vendo os treinadores que estão disponíveis, as escolhas recaíram para o Necas e Passos Manuel que constitui uma honra para mim trabalhar com estes dois treinadores. É assim que deve ser.O treinador principal deve escolher os seus adjuntos dentro do quadro dos técnicos que estão no clube até para valorizá-los". Por seu lado, Manuel de Sousa Necas", considerado um dos melhores triplistas da Selecção Nacional, interpelado por esse Jornal, afirmou que é uma grande satisfação trabalhar ao lado de José Carlos Guimarães, antigo companheiro na selecção. "Vai ser uma grande satisfação trabalhar com o técnico José Carlos Guimarães.O Zé Carlos tem prestado um tributo muito grande naquilo que é o desenvolvimento do basquetebol em Angola, apesar de estar ainda no início de carreira não só a nível de clubes como também a nível das selecções.Daremos o nosso melhor no sentido de tornar o Interclube mais competitivo".  "Sinto-me orgulhoso  do Projecto Promade" Mentor e coordenador do Projecto Promade de Cabinda, lançado em 1999, após a disputa do Afrobasket no país, José Carlos Guimarães "largou" o projecto para abraçar o do Interclube."Carlitos" como é tratado pelos mais próximos, afirmou que foi um orgulho ter liderado o Projecto Promade que para além do basquetebol movimenta igualmente outras modalidades, e que sai de Cabinda sem mágoa."Larguei entre aspas.Antes de tomar qualquer decisão em relação ao meu futuro, opto sempre pelo diálogo. Recebi um comunicado assinado pelo Governador de Cabinda, Mawete João Baptista, pessoa a quem respeito muito e que conheço há muito anos, ainda enquanto Embaixador, no qual o Governo da província manifestava a não intenção na continuidade do meu trabalho e que, de acordo com as cláusulas contratuais, iriam proceder à regularização do mesmo com todas as condições que tinha no contrato.Respondi a agradecer o apoio que sempre recebi do Governo provincial e pedi, naturalmente, dentro da disponibilidade que houvesse alguma brevidade de formas a poder concluir tudo aquilo que tenho direito. Tenho consciência de que fiz um bom trabalho, cometi alguns erros, como é lógico, mas nunca os fiz de forma premeditada. Não me devo esquecer de Cabinda, porque foi lá onde me tornei mais homem, sobretudo mais humilde".