Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Kito Ribeiro enaltece Sambilas

Avelino Umba - 05 de Junho, 2017

Kito Ribeiro exalta a prestação da sua equipa durante a primeira volta do campeonato nacional

Fotografia: José Soares | Edições Novembro

Jornal dos Desportos - Qual é o balanço que faz da primeira  volta e que futuro ainda tem a sua equipa no Girabola ZAP 2017.
Kito Ribeiro- A prior, achamos que a primeira volta, do ponto de vista da dinâmica competitiva, dos níveis alcançados por alguns jogadores, a julgar pelos pontos conquistados, podemos dizer que está dentro daquilo que foi por nós programado.

JD- O que tinha sido programado?
KR- Era que na primeira volta ficássemos acima dos cinquenta por cento acima das 16 equipas, isto é acima do oitavos lugares, mais próximo do objectivos, que é o quinto. Conseguimos alcançar isso porque ficámos em sexto lugar com 26 pontos, resultantes de sete vitórias, cinco empates e três derrotas. Temos o segundo melhor marcador da competição que é o Fofó com sete golos na sua conta pessoal. Em suma, no computo geral, acho que tivemos uma boa produção na primeira volta.

JD- Cumpriram desta forma com o objectivo na primeira volta?
KR- No inicio do campeonato foi traçado o plano de que, na primeira volta, a equipa alcançasse 32 pontos, pensando assim que, com estes pontos, ficaríamos na quinta ou sexta posição, mas, infelizmente, este ano a primeira volta terminou com 34 para o Petro a liderar o campeonato e os 32 para o terceiro classificado, o Kabuscorp do Palanca.

JD- Deste modo, como avalia competitivamente a primeira volta?
KR- Foi bastante renhida. Para nós não foi possível chegar aos 32 pontos como programado, mas, em função daquilo que fizemos, foi possível chegar aos 26 pontos. Efectivamente com estes pontos conseguimos chegar na sexta posição e, por esta razão, podemos considerar que foi positiva a participação da equipa.

JD- Como é que encara o seu regresso ao clube como treinador principal da equipa depois de ter representado o Progresso da Lunda Sul onde realizou um trabalho brilhante?
KR- Penso que foi um regresso natural a uma estrutura que conheço muito bem. Estamos a tentar dar continuidade a algo em casa e que o presidente procura, que passa por alcançar um lugar mais digno que é o quinto no campeonato e uma Taça de Angola. É  um objectivo que é perseguido desde 2010. Sabendo isso, o grupo não tem medido esforços  para que tal possa ser alcançado, embora seja verdade que muita coisa mudou desde a minha saída do clube em 2013 para o Progresso da Lunda Sul.

JD- Quer explicar-se melhor?
KR- Mudaram as infra-estruturas, dirigentes e muito mais. Mas a nossa chegada foi muito bem encarada. As pessoas receberam-nos bem e, dessa forma, penso que vamos conseguir alcançar os objectivos, partindo de um pressuposto  e slogan do clube de  que "Progresso é uma família". Estamos em família e com certeza vamos fazer um bom trabalho dentro do clube.

DISPONIBILIDADES
“Condições de trabalhos são as possíveis”


JD- As condições de trabalho continuam em dia para que não haja alguns sobressaltos nos vossos planos?
KR- Todos nós sabemos que o país está a atravessar problemas financeiros graves que afectam a economia nacional. Estamos todos a par disso e o Progresso Sambizanga não está a margem. Mas temos estado a trabalhar com aquilo que é a disponibilidade da direcção do clube e arregaçar as mangas para os objectivos preconizados pela direcção do clube.

JD- Como tem sido aproveitada a pausa do campeonato pela a equipa devido aos compromissos da selecção nacional que trabalha para o apuramento ao CAN de 2019?
KR- Como sempre os trabalhos nos clubes não param. Nós a exemplo das demais equipas continuamos a trabalhar sem qualquer sobressalto. Todos os dias trabalhamos com a maior normalidade como se a competição estive a decorrer. Isso não nos tira qualquer possibilidade de trabalharmos, por contrario, temos jogos amigáveis agendados com algumas equipas do nosso campeonato e não só. 

    SEGUNDA VOLTA
“Pretendemos fazer melhor”


JD- Que perspectivas tem para a segunda volta do Girabola?
KR- Acredito que nesta altura o mais importante é fixar os objectivos da época entre os cinco primeiros lugares na prova. Pretendemos fazer melhor na segunda volta, fazer o que não fizemos na primeira. Atingir alguns objectivos em termos de resultados que não atingimos na primeira ,  pois, como disse antes, para o presidente do Clube, Paixão Júnior, o objectivo é atingir os primeiros cinco lugares no campeonato. É com neste pensamento que continuamos focados no Girabola Zap 2017.

JD- Qual será o esforço a fazer para que seja alcançado?
KR- Precisamos de fazer uma segunda volta melhor do que a primeira, atendendo aos objectivos traçados pela direcção do clube, tendo em conta a sexta posição em que terminamos na primeira volta, pois, todas as equipas candidatas ao titulo estão a cima de nós. O Progresso está em sexto. Desta forma, vamos fazer um trabalho com muita dedicação e, acima de tudo, juntar forças entre jogadores e treinadores, porquanto o campeonato é uma competição de muita durabilidade e há que resistir melhor para lá conseguir chegar e atingir os objectivos. Para tal é preciso um trabalho em conjunto, incluindo adeptos, de forma a equilibrar o estado anímico da equipa e, dentro da nossa dinâmica, conseguirmos superar as possíveis adversidades que poderão surgir ao longo do campeonato.

JD- Está a pensar numa possível contratação de jogadores para reforçar a equipa na segunda volta?
KR- O segredo é a arma do negocio. Já explicámos à direcção do clube as nossas pretensões. Dentro do clube, temos a equipa B e de juniores. Existe muito potencial na equipa B. Existe também potencial nas outras equipas, mas é claro que todos eles têm contratos firmados com os seus clubes e a mudança de um jogador numa equipa para a outra não se efectiva facilmente.

JD- Quantas saídas e entradas de jogadores para a segunda volta prevê para reforçar a equipa?
KR- Como disse, o segredo é a arma de negocio.

JD- Qual dos sectores que mais lhe preocupam  e que vão merecer a prioridade para reforçar?
KR- Penso que todos os sectores são importantes e que todos eles preocupam a equipa. Quem está aqui é o mais importante e quem não está não adianta avançar qualquer pormenor.

APOSTAS
Jogadores jovens satisfazem o técnico


JD- Há forte aposta  aos jogadores jovens na equipa?
KR- É bastante salutar pelo facto de que o Progresso Sambizanga ser uma equipa com um bom numero de jogadores jovens, pois como sabemos, a par do Progresso está o 1º de Maio de Benguela também com um numero considerável de jogadores jovens.

JD- Como tem sido o entrosamento dos mesmos?
KR- Tem sido positivo no qual aproveitamos pedir um pouco de paciência dos nossos adeptos com promessa de que tudo vai acontecer com a sua normalidade, do qual acreditamos que os que não foram regularmente utilizados na primeira, poderão ser na segunda volta.

JD- Quer acrescentar mais alguma informação que não tenhamos abordado nesta entrevista?
KR- Sabemos que todo o processo é complicado. Estamos com uma equipa "nova" e o Progresso é uma equipa no Girabola com muitos jovens e se analisarmos bem ao nível das equipas nesta competição que jogam com  muitos jovens, estamos nós, o Desportivo da Huila e o 1º de Maio que utilizam mais que três jogadores efectivos. Com isso, temos estado a ver que com uma equipa nova como a nossa, tem levado a que os jogadores vão absorvendo o principio e a filosofia dos nossos jogos. Para  tal, é necessário calma e tempo para serem utilizados.