Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Meu sonho jogar no Barcelona

Ado de Sousa/Joo Francisco - 01 de Outubro, 2012

Virglio Antnio Mateus Menezes, 11 anos, apesar da sua tenra idade, j conhecido nos campos como Messi

Fotografia: Jornal dos Desportos

Virgílio António Mateus Menezes, 11 anos, apesar da sua tenra idade, já é conhecido nos campos como “Messi”, devido à sua forma de jogar, que se assemelha ao craque argentino. Aluno da 6ª classe na escola Koka na Ilha de Luanda, começou a praticar desportos aos nove anos. Virgílio Menezes é segundo filho e segue os passos do pai, António Menezes, que foi um grande craque no Pousada Futebol Clube, uma equipa que fazia dupla de futebol de praia e também no pelado. Influenciado pelo kota Menezes, nunca mas deixou de praticar o futebol, ganhando muito cedo a confiança do mister Zé, que o colocou a liderar a equipa com a braçadeira de capitão.

A nossa estrela gosta de jogar. É médio-ala. Tem velocidade e ampla visão no jogo. Sabe distribuir a bola aos seus colegas com uma eficiência de meter inveja, o que leva todo o mundo a considerá-lo uma referência no futebol ilhéu para o futuro. Desde o seu enquadramento no clube Alegria Povo Ilhéu (API FC), sente-se bem porque recebe carinho, apoio da família, amigos, colegas e em particular do treinador. “No seio da equipa, temos uma boa relação e apesar do cansaço no final de cada jogo ainda mantenho a vontade de fazer mais coisas com a bola sozinho”, começou por nos dizer o pequeno enquanto dominava a bola durante muito tempo.

“Como capitão, tenho sabido acalmar os ânimos dos meus colegas para conseguirmos obter resultados positivos. Tenho conseguido conciliar os treinos e os estudos. Tão logo termine o escalão de formação irei para os juniores, porque neste escalão onde estou permanecem apenas jogadores com idades entre os nove e 13 anos” , disse confiante. O jogador que mais admira no nosso Girabola é Kêmbua. E no estrangeiro é Leonel Messi. “O Job é um bom jogador, mas o maior problema dele é que finta muito e acaba por perder a bola. Isto não é bom para um jogador (…)”, disse o miúdo, demonstrando conhecer muito bem os nossos futebolistas da I divisão. “Gostaria de jogar pelo Petro de Luanda porque é a equipa do meu coração e no estrangeiro gostaria de jogar na equipa do Barcelona”, adiantou.

Em relação a apoios.

O atleta revela que tem apoio da parte da direcção do clube e que depois dos treinos têm direito a lanche, frutas e sumos, tudo para manter a boa forma dos jogadores. Este apoio serve também para os jovens ficarem mais motivados e poderem dar o seu melhor em campo. Período mais difícil. O momento mais difícil foi quando jogaram com a Académica da Maianga, porque os atletas desta equipa eram de maior idade e jogavam muito mal. Teve medo de ser aleijado e pediu ao treinador para sair porque cada vez que tentava levar a bola recebia sempre uma entrada que podia perigar o seu talento futebolístico. Aproveita esta oportunidade para anunciar a quem de direito a fim de ajudar em relação ao campo pelado, porque jogam constantemente na areia e isto tem sido muito cansativo.

Período mais feliz
Pelo tempo que anda no futebol, o que o deixou mais satisfeito foi ganhar o campeonato dos Caçulinhas, de 2010. Agora estão a preparar-se para o torneio Super Kuya e quem for vencedor irá para Portugal. Esta é ambição, seguir para Portugal.

No futuro.
O seu maior sonho, independentemente do futebol, é formar-se em medicina e doutorar-se, para poder ajudar os mais necessitados, em especial na questão da saúde.


Perguntas

Jornal dos Desportos: O que achas da equipa do Libolo?
Sem dúvida a equipa do Libolo é uma equipa que tem vindo mostrar trabalho porque desde o início do campeonato só uma vez perderam e isto implica dizer que reina a disciplina, o trabalho e comunicação entre colegas e dirigentes.

JD: O que tens a dizer sobre a nossa selecção?
Devo dizer que a nossa selecção deve mostrar uma postura mais séria no campo. Os adeptos angolanos gostam de jogadores que fintam muito e isto não é bom para o futebol, conforme já referi sobre o Job.

JD: Como avalias a participação dos nossos atletas nos Jogos Olímpicos?
Acho que a participação foi boa, dignificou o nosso país mas os órgãos de direito devem apostar mais nas modalidades individuais. Parece que gostam de apostar mais nas modalidades colectivas.

JD: Que conselhos deixas aos jovens que se dedicam à delinquência?
Devem largar essa vida, olhar para os estudos e praticar muito desporto.


POR DENTRO

Nome completo: Virgílio António Mateus Menezes
Filiação: António Francisco Menezes e Edna da Conceição Mateus
Naturalidade : Luanda
Música: House
Religião: Católica
Calçado: 38
Prato preferido: Feijoada com arroz
Músico preferido: Puto Português
O que mais detesta: Ser mandado quando está cansado
O maior sonho: Ser médico
País de sonho: Holanda
Bebida: Sumo