Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Mozer critica fraca aposta nos tcnicos

Betumeleano Ferro - 17 de Janeiro, 2014

Finda Mozer a favor da contratao de tcnicos estrangeiros que tragam mais-valias como Edouard Antranik do Kabuscorp

Fotografia: Jos Soares

O técnico Joaquim Finda Mozer, em entrevista ontem ao Jornal dos Desportos, mostrou-se preocupado com a actual tendência da maioria dos clubes da primeira divisão de entregar o comando técnico das suas equipas a estrangeiros.

“Não sei o que se está a passar para isto acontecer, mas penso que os dirigentes deviam repensar para começarem a dar de novo mais valor aos nacionais”, sublinhou.

Com base nos seus dados estatísticos, o treinador de 40 anos de idade, chegou à conclusão de que nos últimos anos as portas dos clubes do Girabola têm estado fechadas para técnicos angolanos.

“Desde 2010 que noto que há cada vez menos aposta na prata de casa”, desabafou. A costumeira desculpa da falta de competência não convence o técnico, pois tem notado que os bons resultados aparecem sempre que as direcções dão aos nacionais as mesmas condições que dão aos estrangeiros.
“Nem é preciso recorrer muito às estatísticas para descobrirmos que nas últimas três  épocas foi um angolano, Zeca Amaral, quem ganhou mais títulos no campeonato”, disse.

Finda Mozer desafiou os clubes da primeira divisão a satisfazerem todas as exigências dos treinadores nacionais para ver se no final vão ter motivos de queixa com o trabalho desenvolvido ao longo da época. “Se nos derem todas as condições podemos sim fazer bons resultados, podemos superar  todas as expectativas, porque em jogo jogado temos demonstrado que não há diferença entre nós e os que vêm de fora”, argumentou.

Embora prefira não apontar nomes, o treinador lamentou a aparente falta de consideração de certos dirigentes para com os seus concidadãos, pois sempre que têm os cofres cheios de dinheiro não querem saber dos nacionais.

“Aqui no nosso futebol há equipas que quando não têm condições financeiras apostam de imediato num angolano, mas quando acontece o inverso viram-se rapidamente para o mercado externo”, acusou.

O técnico Mozer nada tem contra os que vêm de fora. Alguns dos estrangeiros que chegaram ao campeonato nacional trouxeram consigo mais-valias e triunfaram de imediato como sucedeu com Edouard Antranik, campeão o ano passado pelo Kabuscorp.

 “Este é um dos nomes (Edouard Antranik) que se pode citar, mas mesmo assim não vejo razões para os estrangeiros estarem a dominar o nosso mercado”, rematou.


RESSURGIMENTO
“ATEFA pode ajudar
a classe dos técnicos”


A revitalização da Associação de Treinadores de Futebol de Angola (ATEFA) pode contribuir de maneira decisiva para a valorização dos técnicos angolanos nela filiados, mostrou-se convicto Finda Mozer. Ele apelou à união da classe para fazer ressurgir a Associação.

“A nossa Associação tem de voltar a estar activa para defender os nossos interesses, é urgente que isto aconteça”, exortou. Por causa da sonolência da ATEFA, alguns dirigentes nacionais aproveitam para faltar ao respeito aos seus empregados em público. “No outro dia ouvi as declarações de um dirigente que me deixaram algo admirado. Em resumo ele disse que somos bêbados e ninguém saiu em defesa da nossa classe. É lamentável”, deplorou.

O nosso interlocutor anseia ver o dia em que os técnicos angolanos vão ter a mesma protecção que países como Portugal e Brasil dão aos seus treinadores.

“Nestes países quase não se vêem estrangeiros nas equipas da primeira divisão porque lá dão grande valor à prata da casa. Nós aqui também temos a obrigação de possuir uma maneira de sermos mais respeitados”, reafirmou.

Se a ATEFA conseguir ressurgir para cumprir sem hesitação os desígnios dos seus filiados, então Joaquim Finda diz ter a certeza que mais angolanos vão receber as mesmas oportunidades dadas com frequência aos estrangeiros.

Os clubes nacionais agora aparentam estar mais ricos do que há anos e assim o nosso interlocutor gostava de ver uma Associação forte, capaz de ajudar os dirigentes a tomar decisões muito mais sensatas quando contratarem um treinador.

“Neste momento há grandes investimentos no nosso futebol. É por causa disto que surgem a cada época mais equipas a lutar pelo título. Agora só falta pedir mais organização aos nossos clubes e que se valorize mais a prata de casa”, disse.
BF


FORMAÇÃO NO BENFICA
Mantorras apadrinha estágio


O embaixador Mantorras vai usar o estatuto de que goza no Benfica de Lisboa para apadrinhar em Fevereiro próximo um estágio a Finda Mozer junto da principal equipa técnica das águias.

"Quero agradecer a Mantorras por este grande gesto, tenho de pagar algumas despesas mas nada se compara com os 21 dias em que vou ter a grande oportunidade de aprender junto do Jorge Jesus e seus adjuntos", disse o treinador de 40 anos de idade.

Durante o tempo em que vai estar na Luz, o técnico angolano promete abrir bem os olhos e os ouvidos para aprender coisas novas. "Se eu estiver atento vou colher muitos benefícios, vou aproveitar esta grande oportunidade para falar com Jorge Jesus para tirar todas as dúvidas que tenho.”

A metodologia do treino é universal, mas o treinador assegurou que há especificidades que devem ser bem dominadas para evitar choques com os adjuntos. Por exemplo, durante o estágio Finda Mozer pode ter a oportunidade de passar alguns dias em companhia de Mário Monteiro, preparador físico das águias.

"Vou ter a oportunidade de fazer mais do que apreciar, vou beber da experiência dele para aprender a preparar a equipa com todo o domínio exigido, desta maneira não vou chocar com o meu preparador físico quando estiver a planificar a época", argumentou.

Depois de findar o estágio no Benfica de Lisboa, Joaquim Finda vai frequentar os cursos de treinadores de nível dois e três da UEFA. Para alcançar este desiderato, ele beneficiou uma vez mais das influências do embaixador Mantorras e da prestimosa ajuda do colega Zeca Amaral. "Foi ele quem fez os contactos para eu dar continuidade à minha formação, assim vou ter o privilégio de me manter actualizado.”

O bicampeão nacional Zeca Amaral tem sido nos últimos tempos uma das vozes que Finda Mozer mais escuta quando o assunto é futebol ou treinos. 
"Tenho estado a receber muita experiência das conversas com o Zeca Amaral, falo muito com ele, há dias em que passamos horas seguidas a falar de futebol, este tipo de contacto tem-me fortalecido bastante", assegurou Mozer.
BF