Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

"No meu tempo corramos mais rpido na So Silvestre de Luanda"

Joo Francisco, Textos - 07 de Janeiro, 2013

A este rico palmars podemos juntar as duas vitrias na So Silvestre de Luanda (1999/2000).

Fotografia: Jornal dos Desportos

João Baptista Ntyamba, 44 anos, é o corredor angolano com mais participações nos Jogos Olímpicos de Inverno. No total são seis, desde o evento disputado em Seul em 1988, até aos Jogos de Pequim em 2008, onde assinalou a sua despedida oficial das pistas. Sempre a representar Angola na prova “rainha”, como é chamada a maratona, esteve igualmente presente nos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996, mas foi na Olimpíada de Sidney em 2000, que obteve o melhor resultado, classificando-se em 16º lugar. Antes de encerrar a carreira desportiva participou também nos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004. É o atleta angolano mais olímpico de todos os tempos. A este rico palmarés podemos juntar as duas vitórias na São Silvestre de Luanda (1999/2000).

Em 2001 participou em 18 provas internacionais e apenas perdeu uma, das quais destacamos as meias maratonas (21 km) do Rio de Janeiro e do Panamá (prova que venceu em três ocasiões, 2001, 2004 e 2007). Não menos importantes na carreira deste maratonista de gema foram o segundo lugar alcançado na maratona de Viena em 2004 e nos dez quilómetros da cidade de São Paulo em 2007. Ao longo da sua carreira, João Ntyamba esteve ainda presente em sete Campeonatos do Mundo, em quatro Campeonatos Africanos e noutros tantos Campeonatos Pan-Africanos. Em 2001 foi considerado o melhor desportista do ano pela Rádio Cinco.

Recordes nacionais
Ntyamba obteve os recordes nacionais em provas internacionais dos 800 metros (1:47: 54), 1.000 metros (2:18:02), alcançados no meeting de Porttland (EUA), 1.500 metros (3:39:59), obtido nos Jogos Olímpicos de Barcelona, 3.000 metros (7:51:50) em São Diogo da Califórnia (EUA), 10.000 metros (28:31), em Sevilha, isto nas especialidades de pista. Em estrada detém os recordes dos dez quilómetros (27:59), alcançados na cidade de São Tiago de Cale (Colômbia), 21 km (1:00.23) em Lisboa, 42 km (2:11:40), na maratona de Berlim. Em termos de dirigismo desportivo, além de fundar a Escola Ntyamba Sports, com sede na Huíla e filiais um pouco por todo o país, para dar corpo ao “Projecto renascer Atletismo”, concorreu à presidência da Federação Angolana de Atletismo para o ciclo Olímpico 2012-2016, em que foi derrotado pelo empresário Carlos Rosa, do qual foi vice-presidente no mandato cessante (2008-2012). Passou igualmente pelo departamento de atletismo do Interclube de Luanda, onde foi coordenador técnico da modalidade.

PERCURSO
Do Desportivo da Huíla
ao  Benfica e Belenenses


João Ntyamba começou a praticar atletismo aos 14 anos de idade, por volta de 1982, no Desportivo da Huíla, passando pelo Inter da Huíla e transferindo-se depois para o 1º de Agosto, através do carismático António Andrade. “Em 1983/84, António Andrade foi buscar-me à Huíla para Luanda, tendo-me colocado no 1º de Agosto, numa altura em que fazíamos do atletismo a nossa arma de combate”, recorda-se aquele que é considerado um dos ícones do atletismo angolano.

Do 1º de Agosto muda de ares para Lisboa em 1987/88 pelas mãos de Rui Mingas e António Andrade, onde representa o Sport Lisboa Benfica. Conta que no clube das águias chegou igualmente a aprovar nos testes para jogar futebol. “A minha autorização de saída de Angola, do 1º de Agosto para o Benfica (Portugal) foi legal e assinada pelo General António França “Ndalu”, na altura chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAPLA), com objectivos essencialmente desportivos, onde fiquei até 1991”, disse. “Em 1992 saí do Benfica para o Belenenses, para fugir do elevado número de estrangeiros, onde acabei por ser campeão distrital”, contou. A nível nacional teve como colegas Aurélio Miti Handanga, outro dos angolanos que venceu uma São Silvestre de Luanda no pós-independência, Sara Tavares, Gertudres Sepúlveda, Orlando Bonifácio, Ernesto Bartolomeu, José Saraiva.

TRANSFERÊNCIAS
Das Américas e outros cantos do mundo. Em fins de 1992, NTyamba saiu de Portugal para a Califórnia (EUA), para representar a Universidade de São Diogo, fazendo atletismo e estudando inglês naquela instituição universitária. Em 1994/95 fica um ano em Osaka (Japão). De regresso aos Estados Unidos em 1996, passa um ano (97) no interior de São Paulo para viajar para a Colômbia um ano depois (98), de onde regressou a Angola em 2008.

AVALIAÇÃO DA S. SILVESTRE
Organização menos boa
para a prata da casa

JD - O que achou da 57ª edição da São Silvestre de Luanda?
JN -
Corri de fora, como se diz na gíria. Aquilo que todos viram e que comentei na TPA é que em termos organizativos foi bom. Mas em termos técnicos foi péssimo, porque não é admissível que o nosso melhor atleta, Epesse, do 1º de Agosto, entre no Estádio dos Coqueiros em 20º lugar em representação de um clube e não da selecção nacional. De qualquer modo aproveito a oportunidade para felicitar-lhe e ao clube pelo investimento que se fez.

JD - E os atletas da selecção nacional?  -
JN
- Dos 11 atletas da Selecção Nacional, nenhum conseguiu melhor do que o representante do 1º de Agosto. É um indicativo de que a Federação Angolana de Atletismo (FAA) continua a pecar naquilo que é realmente responsabilidade em representar as cores duma Nação. Queremos que os atletas estrangeiros sejam bem vindos, mas que os angolanos de igual forma tenham uma representação digna neste caso, já que os valores patrióticos estão em primeiro lugar. 

JD - Qual é a diferença entre o seu tempo em que venceu duas edições da S. Silvestre consecutivas e agora?
JN - Eu e o Aurélio Mitty, que também venceu uma edição, corríamos mais rápido do que essas pessoas que vêm aqui vencer as provas. Por exemplo, o vencedor desta edição fez 28:16 (marca oficial) e eu tenho como melhor marca (27:59) e às vezes, na distância de12 quilómetros, passava no quilómetro dez, com 28:13, quando faltavam apenas dois quilómetros.
 
JD - O que está então a acontecer?

JN - O que se passa é que faltam planos de treino adequados, para que os corredores entrem nos meses que antecedem Dezembro na casa dos 29 minutos, para pensarem correr abaixo dos 28:00, que não é do dia para a noite (…). Já se sabia de antemão, isso depois da pré-São Silvestre disputada em Luanda.

PERFIL DO ATLETAS

Nome completo - João Baptista Ntyamba
Filiação - Luís Tchikulumuna e Paula Kakuhu
Naturalidade e data de nascimento - Aldeia do Zimbambe, município do Cuvango (Huíla), aos 20.03.1968
Signo - Peixe
Estado Civil - Casado
Filhos - Dois
Altura - 1,76 m
Calçado - 40
Peso - 60 kg
Cor preferida - Branca
Hobbies - Leitura, Karting e estar sozinho
Música - Kuduro e Semba
Prato - Feijoada com todos
Bebida - Sumo e água.