Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

O homem que construiu a primeira sede de raiz de uma Federao Desportiva

Joo Francisco -On-line - 08 de Junho, 2013

Antigo praticante de tnis de mesa sem grandes pergaminhos

Fotografia: Joo Francisco

Quando na década de 90 chegou à Federação Angolana de Ténis de Mesa (FATM), António de Jesus Raimundo, 53 anos, ou simplesmente Tony de Jesus, como é conhecido nas lides tenistas, encontrou a modalidade com graves problemas infra-estruturais e financeiros, que aliás é a dificuldade de todas as Federações das consideradas modalidades “pobres”, como a que esteve durante três mandatos.

Antigo praticante de ténis de mesa sem grandes pergaminhos, na ex-escola secundária Emídio Navarro, no inicio da década de 70, actual N´gola M´bandi, localizado no distrito do Rangel, Tony de Jesus enquanto estudante chegou a fazer o gostinho das raquetes. 

A ambição estendeu-se pelo pós independência, numa altura em que a modalidade tinha o hall do Grupo Rádio Nacional, onde agora se encontra um repuxo de água, naquele tempo transformada numa verdadeira arena onde despontaram jogadores como Filomeno Fortes, actual Presidente da FATM, António Cabral, Miguel Gourgel, Laureano Salvaterra, entre outros, Tony de Jesus, também marcava presença.

Como quem muito aparece, aborrece, Tony de Jesus nos anos 90, - foi contactado por muitos dos tenistas de mesa acima referidos, - para dirigir a Federação, isto numa altura que a modalidade vivia até 2008, um momento de “crise”. 

“Aceitei o desafio, mas  foi mesmo um desafio que durou mais de uma década, em que a primeira coisa que fiz foi resolver o litígio relacionado com um local para a prática da modalidade, entre a Direcção da FATM e a Direcção da Escola N´zinga M´bandi.

Tive que reunir com a Direcção daquela instituição de ensino que aceitou ceder um espaço que chegou a beneficiar de obras de reabilitação, com inclusão de fontes de energia alternativa, para alegria da nova geração tenistas, que na altura voltaram a ter um recinto com as mínimas condições para continuar a progredir”, revelou.

Depois de resolver a questão do recinto para os atletas poderem treinar, Tony de Jesus virou as “baterias” para a Federação e naquela altura também vivia adversidades para a sua acomodação em torno do pavilhão principal multiuso da Cidadela Desportiva.

“Fizemos igualmente obras nas primeiras instalações da FATM na Cidadela e, fizemos regressar  o Ténis de Mesa  novamente às competições internacionais”.


GRANDES PROJECTOS

Escolas e Centro de alto rendimento


Segundo Tony de Jesus com a reestruturação efectuada a nível dos praticantes e administrativamente na FATM começou a pensar-se em coisas mais sérias, como a criação da primeira Escola de excelência de Ténis de Mesa, que funcionou no 1º andar da Escola N´zinga M´bandi, a partir do inicio da década 2000 e, que foi inaugurada pelo então Ministro da Juventude e Desporto, Sardinha de Castro.   

“Em Luanda chegamos a movimentar naquele centro de formação especializada mais de 300 dos quais seleccionamos 100 atletas e a nível nacional chegamos a atingir cifras na ordem dos quinhentos 500 praticantes activos que indirectamente forçaram a constituição das Associações Províncias que sempre estiveram nos nossos planos de desenvolvimento. dos nossos primeiros.”

Contudo, o projecto que mais marcou Tony de Jesus foi a construção de raiz da primeira sede da FATM e o Centro de Alto Rendimento da modalidade (CARA), localizado na ala esquerda do portão de saída na Cidadela Desportiva que dá para a 6ª esquadra da Policia Nacional, criava assim condições para uma verdadeira autonomia financeira da FATM.   

“Construímos uma sede de raiz, onde erguemos um ginásio para corporizar o primeiro Centro de Rendimento de Angola (CARA) na modalidade de Ténis de Mesa, um restaurante, criamos serviços de hotelaria e similares com hospedagem para atletas, um cyber café, anfiteatro para reuniões, entre outros empreendimentos cuja gestão privada permite rentabilizar os espaços para dar benefícios financeiros ao desenvolvimento no sentido de haver autonomia da modalidade” .


PING- PONG

“Potenciar  tenistas
para os Jogos Olímpicos” 


O que o motivou a ser presidente da FATM ?

Achei que podia ser útil ao projecto, daí, empenhei-me e fiz vincar a minha presença com eficácia, acrescentar valores, resultados em termos de feitos e participações.

Quer comentar os pontos fortes dos mandatos?
Trabalhamos sempre em sintonia com outros membros da minha direcção. Traçamos princípios fundamentais, elaboramos uma espécie de programa de salvação para o Ténis de Mesa, que podemos compará-lo a uma Bíblia.
Com os frutos, obtivemos hegemonia, direito e respeito que nos levam hoje de forma clara e evidente às medalhas e as boas classificações a nível internacional. A construção do CARA foi uma das melhores coisas que veio trazer valor acrescentado à nossa primazia.

Qual é o seu maior desejo como antigo dirigente da modalidade?
Implementar um projecto com vista a potenciar mesa tenistas angolanos para competirem nos Jogos Olímpicos.

Mundial de Hóquei
“Angola vai ser acolhedora”


Quais são as possibilidades reais de Angola no 41º Mundial de Hóquei?   
Talvez o 4º ou 5º lugar.

Acha que o País consegue responder de forma positiva à organização do Campeonato Mundial em termos de infra-estruturas?  
Claro que sim, foi por isso que estão a ser erguido estruturas importantes para o efeito. Possuímos outras infra-estruturas e até temos uma outra vantagem: Somos acolhedores.

Quais são os verdadeiros ganhos para o País com a realização do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins?  

Mobilizar as infra-estruturas comerciais e económicas. Desenvolver as Cidades e Províncias, surgimento de novos valores na modalidade. Angola estará aberta ao mundo, e os participantes e outros poderão visitar e tomar contacto com a realidade e o franco desenvolvimento do País.


POR DENTRO


Nome completo: António de Jesus Francisco Raimundo
Filiação: Adão Francisco Raimundo e de Elvira Augusto Raimundo
Data e local de Nascimento: Aos 19 de Março de 1946, em Luanda
Estado Civil: Casado com Madalena Sebastião Pedrinho Raimundo
Filhos: 05.
Peso: 89 Kg
Altura: 1, 70 m
Prato Preferido: Massa com todos
Bebida:  Whisky Black Label
O que faz nos tempos livres: Vejo filmes policiais e de ficção
Número de calçado: 42
Clube Preferido: Em Angola o 1º de Agosto. No estrangeiro o Benfica de Lisboa
Cidade: Paris
País: França
Perfume: Versege Glamour
Religião: Nenhuma
Ídolo: Muata da paz José Eduardo dos Santos
Alguma vez mentiu: Algumas
Sonho/desejo: Viver em paz, alegria e ver o nosso país a continuar a vencer para bem de todo o povo angolano.