Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

"O meu sonho foi sempre trazer o Ji-Jitsu para Angola"

Joo Francisco - 25 de Dezembro, 2012

Srgio Lopes acredita que a maior parte dos seus pupilos

Fotografia: Jornal dos Desportos

O treinador é o ídolo do campeão mundial do estilo brasileiro de Ji-Jitsu, Walter Faustino. Chama-se Sérgio Vieira Lopes, 34 anos, ou simplesmente, Z1 Academy, para os seus pupilos. Trouxe de Portugal para Angola a modalidade na especialidade, depois de ser praticante enquanto fazia a sua formação académica, concluída em 2004 naquelas paragens.

Devido à sua acção nesta Arte Marcial, os angolanos começaram a notabilizar-se em 2011com a obtenção de um terceiro lugar num campeonato mundial e finalmente a medalha de ouro este ano. Z1 Academy é também o nome de um projecto antigo fundado por Sérgio Lopes, desde o momento que começou a dar os primeiros passos na modalidade em Portugal, na companhia de Lauro Figueiroa, cinturão negro do 2º Dan.

“Desde que comecei a treinar o Ji-Jitsu brasileiro o meu sonho foi sempre trazê-lo. Comecei a treinar a modalidade em Portugal com o Mestre Lauro Figueiroa, cinturão negro 2º Dan, que agora já deve estar no 3º Dan. Dan é o grau que cada lutador desta arte marcial tem na faixa preta. Depois de receber a faixa preta, recebe o 1º Dan passados três anos e assim sucessivamente. Isto entre 2000/2001, quando foi atleta da “Gracie Barra Portugal”, conta Sérgio Lopes.

Sérgio Lopes diz que o nome “Gracie Barra Portugal” tem origem na família Gracie, que desenvolveu o estilo brasileiro do Ji-Jitsu no Brasil. O Ji-Jitsu foi levado para Portugal pelo Mestre Lauro Figueiroa nos anos 90. Em Portugal, Sérgio Lopes começa a dar aulas daquela Arte Marcial, mas teve que regressar ao Brasil para lhe ser concedida definitivamente a licença para continuar a exercer as suas funções.

No final de 2004, terminada a licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial, no estrangeiro, Sérgio Lopes regressa a Angola e continua a praticar a modalidade, inicialmente no Quintal da sua residência, na companhia dos amigos Luís Medroa e Luís Castro. “Quando regressei a Angola tinha um Tatame pequeno (colchão de treino), onde treinava com dois ou três amigos. Em 2005 consigo um espaço maior na Maianga, onde abri oficialmente uma Academia da modalidade, denominada Gracie Barra Angola”, frisou.

“A Z1 Academy é uma marca 100 por cento angolana que veio substituir definitivamente a versão inicial da Academia que eu fundei, a Gracie Barra Angola, nome com o qual competimos e obtivemos muitas medalhas tanto a nível nacional como internacional. Não gosto que as pessoas pensem que sou o dono da Z1 Academy, nome com que me apelidam até”, confessa. Para Sérgio Lopes, o crescimento rápido da modalidade nos últimos cinco anos obrigou a encontrar um espaço maior no pavilhão de Artes Marciais do Sporting de Luanda, onde tiveram que fazer obras para adaptá-lo às modalidades de Luta.

“Crescemos muito rápido devido à nossa entrega. Estivemos sempre neste projecto juntos com os meus pupilos e o meu sócio, o Luís Medroa, que criou o lema da Z1 Academy: escola de valores e oficina de campeões”, disse. Sobre o significado do lema da sua Academia de Ji-Jitsu, Sérgio Lopes disse que reflecte a forma de estar e os objectivos da Z1 Academy. “Queremos transmitir valores que estão a perder-se e que podemos recuperar com as Artes Marciais. Estes valores passam pela ética, responsabilidade e humildade”, sublinhou.
 

“Temos mais Walter(es)
na Z1 Academy”

Sérgio Lopes acredita que a maior parte dos seus pupilos na Z1 Academy podiam trilhar os passos de Walter Faustino (campeã do mundo de 2012), que depois de ter arrebatado a medalha de bronze em 2011, terceira posição do Campeonato Mundial, no ano seguinte sagrou-se campeão mundial na mesma prova.

“Gostava que todos, para aí os 20 que mostram interesse em competir, atingissem os patamares que o Walter Faustino atingiu. Estão muito perto disso, o Daniel Carreira da faixa azul, a mesma de Walter Faustino, e ainda Helder Cardoso, Edilson, Jorginho, os irmãos Omar e Francisco Sousa e Edilson Gourgel, só para citar alguns da faixa branca”, assegurou.  “Neste momento estamos em condições de ter mais que um Walter Faustino. Digo isso com toda a certeza. O que sinto é que os atletas para aparecerem precisam de acreditar mais nas suas qualidades e capacidades para serem campeões, porque o que Walter tem os outros também têm”, disse o treinador dos campeões.

Para justificar, Sérgio Lopes disse que para o Campeonato em que Walter Faustino foi Campeão Mundial, levou dois atletas, o outro foi Daniel Correia. “O Walter conseguiu ir à final e o Daniel perdeu a semi-final que lhe dava o 3º lugar. No meu ponto de vista o Correia perdeu mal (...).
Em relação às qualidades de Walter Faustino, Sérgio Lopes acha que é o melhor atleta angolano da actualidade no estilo brasileiro, difere dos demais na dedicação e na perseguição persistentes dos seus objectivos.  “O Walter não gosta de perder. É extremamente competitivo e é muito forte psicologicamente”. concluiu. 

RECONHECIMENTO
Presidente da República incentiva Artes Marciais


Sérgio Lopes, sobre a audiência que o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, concedeu ao Campeão Mundial na especialidade de menos de 82 kg, Walter Faustino, disse que a iniciativa veio em boa altura e pode incentivar o apoio do Executivo para os objectivos que se pretendem atingir na modalidade de Ji-Jitsu em Angola. “Não temos apoios do Executivo, o que nós conseguimos até agora é graças ao nosso esforço.

Acho que incentivos como o do Presidente da República devem ser considerados em particular para o Ji-Jitsu, mas de uma forma geral para todas as Artes Marciais”, reconheceu.  Sérgio Lopes acrescentou que “isto devia acontecer com mais frequência e a outros níveis da sociedade angolana. Acho mesmo que o Executivo devia usar os melhores desportistas como imagem de marca do País. É também verdade que existe interesse do mais alto mandatário em apoiar o desporto sem exclusão de qualquer modalidade”.


Perguntas e respostas

Jornal dos Desportos - Walter Faustino é o seu melhor aluno?

Sérgio Lopes - Não gosto de pôr as coisas nestes termos para não criar “ciúmes” entre os meus pupilos. Digamos que o Walter Faustino é apenas um dos melhores lutadores da Z1 Academy.

Quem é Sérgio Lopes fora e dentro do Tatame?
 Fora desta minha paixão, que é o Ji-Jitsu brasileiro, sou uma pessoa normal. Tenho a minha família, o meu trabalho. Infelizmente o meu trabalho impede-me de dedicar-me mais à modalidade. Faço no mínimo três horas de treino por dia. Gosto de sair com a família e estar com os meus filhos e com os meus amigos.

É possível viver do Ji-Jitsu?
 Não se pode viver do Ji–Jitsu por ser uma modalidade que, apesar de estar a crescer, ainda não é muito popular e as pessoas não lhe dão tanta importância como o futebol, basquetebol ou o andebol. Estamos a trabalhar para mudar esta mentalidade e caminhar para a sobrevivência dos seus praticantes.

O que é para si uma Academia de Ji-Jitsu?
Uma Academia de Ji-Jitsu pode ser comparada mais ou menos com um “xadrez humano”. Nós, para além do treino, desenvolvemos a auto-estima.


POR DENTRO

Nome completo: Sérgio Areias Vieira Lopes
Filiação: António Ferreira Vieira Lopes e Judith Cordeiro Pereira Areias Lopes
Data e local de nascimento: 6 de Julho de 1978, Luanda
Estado Civil: Casado
Filhos: Três
Altura: 1,75 metros
Peso: 82 kg
Calçado: 44
Cor: Vermelha
Hobby: Música
Prato Preferido: Lazanha de Atum
Bebida : Sumo de Laranja
Música: Africana, Pop
Filme: Acção
Homossexualidade: Contra
Religião: Cristã
O que mais teme: Falhar
Acredita na Bíblia: Sim
Recorre â mentira: Não