Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

O que mé motiva é o gosto que tenho pelo clube

Sardinha Teixeira - 27 de Agosto, 2011

Sou treinador exigente e amigo de todos os jogadores

Fotografia: Miqueias de Sousa

Gosta de treinar as camadas jovens?
Sim! Porque a polícia aposta na formação e agradou-me vir trabalhar para um clube onde a formação é o topo das prioridades. Aqui a preocupação passa por voltar a formar jogadores como Minguito, etc.

Isso justifica o número elevado de jogadores nas camadas jovens?
Sim. A questão é que grande parte dos jogadores que são aqui lapidados acaba por dar em seniores. Têm qualidade para puderem ser utilizados na equipa principal e com perspectivas de, um dia, serem jogadores profissionais.

Está em sintonia com o treinador dos iniciados?
Sem dúvida! O meu colega ensina o abc, da modalidade e, eu dou continuidade aos aspectos técnico táctica dos jogadores. Neste escalão a exigência já se aproxima muito dos juniores, portanto, estes jovens têm que aprender a jogar um futebol maduro e de qualidade rapidamente. 

Como é a relação entre ambos?
Trabalho com o Adirio Simões muito tempo, é um grande amigo e um grandíssimo profissional.

Pensa em continuar a treinar os juvenis?
No que depender de mim continuarei, pois é com muito prazer e com muita honra que estou neste clube. É um grande clube, com uma massa associativa fantástica e com grandes homens a dirigi-lo.

A equipa sénior tem caras novas vindas principalmente de onde?
Nas camadas jovens. Hoje, temos a facilidade de poder escolher, e oferecer subsídios aos seniores, portanto, temos que trabalhar para arranjar jogadores e aproveitar os que aparecem. Alguns dos títulos conquistados, pela equipa principal de futebol tiveram “mãos” dos jovens lançados dos escalões de formação.

Quais são os objectivos como treinador?
São continuar a honrar e dignificar este grandioso clube e tentar chegar o mais longe possível, ou seja, fornecer mais jogadores a equipa sénior. Continuar a trabalhar da mesma forma, com a mesma humildade para o conseguir. Pois, fico orgulhoso e de consciência tranquila de que tudo que faço, é por amor à profissão.

É fácil neste momento ser treinador de uma equipa de futebol de formação?
Quando se gosta do que se faz tudo se torna fácil.

O que o motiva para continuar, sem que exista qualquer tipo de compensação?
O que me motiva é o gosto que tenho pelo clube mas não é fácil esta situação por vezes não se dá o devido valor a todo o esforço que nós fazemos.

Como se define enquanto treinador?
Defino-me um treinador exigente, amigo de todos os jogadores, mas acima  de tudo gosto muito de disciplina.

Em que medida considera ser importante o papel do treinador, no crescimento das centenas de jovens que desenvolvem diariamente a prática do futebol no clube?
É  extremamente importante pois enquanto estão a praticar futebol não estão noutros caminhos.

O que já conquistou enquanto treinador?
Com o professor Brandão, em 1996, colocamos o Progresso do Sambizanga, no Girabola. Um ano depois, voltamos a repetir a mesma proeza, com o Sagrada Esperança da Lunda Norte.

Que recordações guarda do futebol como jogador?
Muita coisa boa, mas também algumas más. Hoje, vemos estádios e campos vazios durante uma partida de futebol; jogadores rotulados de craque que não sabem chutar à baliza. No passado jogávamos mais e melhor.

Que mensagem gostaria de deixar aos dirigentes do clube?
A mensagem continua  a ser mesma  para que nunca deixem de apoiar  todos os escalões do clube pois bem merecem esse apoio.

>> Quem é quem …

Nome: Domingos Cristóvão da Silva “Mito”
Data de nascimento: 3/5/61
Filhos: 6
Estado civil: Casado
Natural: Luanda
Nacionalidade: Angolana
Profissão: Professor de Educação Física
Peso: 85 Kg
Altura: 1,79 cm
Modalidade: Futebol
Clube: Inter Clube de Angola
Funções: Treinador principal de juvenis
Prato preferido: Calulu de peixe
Fuma: Não
Bebida: Sumos naturais
Calçado: 42
Carro próprio: Sim
Casa própria: Sim
Filmes: Acção
Musica: Gospel
País: Angola
Cidade: Lubango
Praia/Campo: Campo
Cor: Azul
Ídolo desportivo: Alexandre Gomes “Dédé”, do Petro de Luanda
Tempos livres: Leituras e filmes