Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Pratico atletismo para agradecer a Deus

José Chaves, no Kuito - 07 de Setembro, 2010

Tiago Tchingui, corredor veterano do Bié

Fotografia: José Chaves

Quando iniciou a segunda edição do Projecto Tulupuki ("vamos correr")?
A 23 de Maio, na cidade do Kuito, capital do Bié, onde percorri 24 km, o que é uma excepção, pois, nas outras 17 capitais de província, corri apenas 21 km.

Fale mais desta aventura que já dura há quatro meses?
A prova decorre a contento, sem constrangimentos.Estou na recta final e acredito chegar até ao fim, conforme consta do projecto concebido.Esta está melhor do que a primeira edição.O roteiro que sigo passa pelo Bié, Kuando Kubango, Moxico, Lunda-Norte, Lunda-Sul, Malange, Uíge, Zaíre, Kwanza-Norte, Kwanza-Sul, Bengo, Benguela, Huíla, Namibe, Cunene, Huambo, Cabinda e Luanda, num total de 381 km.

Está tudo bem, então?...
Sim, até porque estou no fim do projecto.

A idade não o incomoda?
Não.Basta ter pensamento positivo, o que também é importante para envelhecer com qualidade.O envelhecimento é uma das grandes preocupações para muitas pessoas, mas a verdade é que, nos dias que correm, este processo ganha grandes progressos.Não só se vive mais, como é possível manter uma aparência jovial por mais tempo.Este é o meu conselho a todas as pessoas.

Qual é o custo da empreitada e quem a paga?
Está avaliado em 500 mil Kwanzas, valor da minha inteira responsabilidade. As entidades desportivas de cada província são responsáveis pela criação de condições de segurança, técnicas, sociais e de estadia.

Encontrou dificuldades nas províncias por que passou?
Obviamente, tenho tido algumas dificuldades, mas são prontamente superadas. Gostaria de agradecer aos governos das províncias por onde passei, pela recepção, carinho e estadia que me proporcionaram.

Por que motivo abraçou o projecto?
Em primeiro lugar, foi pelo o amor que tenho à modalidade e ao desporto, em geral.Em segundo, quero incentivar a juventude angolana e a população, em geral, a aderir à prática desportiva.Quero abrir aqui um parêntesis e dizer que o nosso país está em paz há apenas oito anos e esta é uma forma de agradecer a Deus.A ideia de abraçar este projecto veio-me depois desse grande acontecimento, na medida em que reflecti, ao sobreviver à guerra que aconteceu na cidade do Kuito.Depois de alcançarmos a paz, tenho de fazer algo com o meu corpo. Pratico atletismo para agradecer a Deus.É necessário realizar acções positivas na vida e o desporto é uma delas.

Como se prepara?
Primeiro, é a preparação psicológica. Treino três vezes por semana, percorrendo uma distância de 15 km. A minha alimentação é equilibrada, bebo bastantes líquidos, consumo muita verdura e descanso bastante.

É esse o segredo para se ter boa aparência na sua idade?
Ter uma aparência jovial é o grande objectivo das pessoas. Para quem não é abençoado pela genética, a única solução é adoptar um estilo de vida saudável.

Qual é o segredo para se chegar à idade que tem?
Todos queremos viver mais e com mais qualidade, mas é algo que parte das próprias pessoas, pois têm de se habituar a ter outro tipo de comportamento, como fazer exercícios físicos.

Aos 63 anos de idade, onde vai buscar forças para percorrer 21 km em todas as capitais de província?
Tenho vontade e a ajuda de Deus.É preciso preparação e ela é feita através de exercícios físicos, pois garante uma vida saudável e é o melhor remédio para várias doenças.

Já agora, que benefícios lhe traz a prática desportiva?
Sinto-me mais leve e bem disposto.Tenho uma dieta alimentar saudável e raramente fico doente porque o corpo, depois de se habituar aos exercícios físicos, desenvolve resistência contra as patologias mais comuns. Acima de tudo, sinto-me bem comigo mesmo.

Há quanto tempo está ligado ao desporto?
Há cerca de 35 anos. Passei por todas as fases, desde atleta, treinador e dirigente desportivo, e ajudei a afundar vários clubes locais e a revitalizar outros.

Etapa termina
a 17 de Setembro


Quando termina a segunda edição do Tulupuki?
A 17 de Setembro (Dia do Herói Nacional), em Luanda, onde serei recebido pela senhora governadora provincial, Francisca do Espírito Santo, por sinal a madrinha moral do projecto.

Tem todas as condições preparadas?
Tenho.A prova termina no dia 17 e é uma forma de homenagear o primeiro Presidente da República de Angola, o Doutor António Agostinho Neto.

Correrei até que as minhas forças não aguentem mais
as minhas "forças"


Que objectivo procura nesta segunda corrida?
É o interesse pela aventura, incentivar a juventude do país a aderir à prática do desporto, em especial o atletismo, uma modalidade fácil de ser praticada e barata.É uma forma de alertar a juventude a deixar os maus hábitos, como a inclinação para o álcool e as drogas.Outro aspecto é incentivar o atletismo no seio das pessoas de todas as idades, pois ele é saúde, alegria e cultiva a boa-vontade nos homens.

Acha que a sua mensagem vá surtir efeito?
Tenho certeza! É preciso incentivar os mais novos à prática do desporto, que pode ser feito na rua ou nos ginásios.

Durante as corridas, leva um ramo de flores.Que significado tem?
O ramo é entregue, no fim de cada etapa, à directora provincial da Família e Promoção da Mulher (ou ao seu representante, em caso de ausência desta), em representação da mãe angolana da referida província.

Além da corrida nas capitais provinciais em si, realiza outra actividade?
Durante a estadia nas capitais de província, realizo visitas de cortesia aos governadores provinciais, às directoras provinciais da Família e Promoção da Mulher, encontros com a juventude, com as associações de atletismo e com os órgãos de informação.

Assim que terminar a segunda edição, fica por aí ou pretende continuar?
O Projecto Tulupuki está concebido para ser executado de três em três anos, até onde as minhas forças aguentarem. No próximo ano, pretendo ingressar na faculdade para fazer a licenciatura em Educação Física. Vou trabalhar para concluir o curso nos próximos quatro anos, e em seguida dar sequência ao projecto.

Já lhe passou pela cabeça desistir?
Não.Tenho fé naquilo que faço.Sempre acreditei em mim mesmo e tenho a certeza de que concretizarei o sonho de percorrer todas as províncias de Angola.

Modalidade necessita
de mais apoios


Como  está o atletismo na província?
Um pouco débil, por falta de apoios.Actualmente, realizam-se algumas provas para manter viva a modalidade, mas não chega.É preciso que os órgãos competentes do desporto na província ajudem a modalidade.

Quais sãs as principais dificuldades que atravessa a modalidade?
Prendem-se com a falta de recursos financeiros e de material desportivo, designadamente, sapatilhas, calções, camisolas e fatos olímpicos.A falta de pistas é outro grande calcanhar de Aquiles.

Fale do interior da província…
Alguns municípios movimentam a modalidade, mesmo de forma tímida, como o Andulo, Kamacupa e Chinguar.

O Bié já foi uma das referências da modalidade nas décadas de 70 e 80. Qual é a receita para o tirar da letargia em que está mergulhada?
Primeiro,é preciso trabalhar arduamente para organizar a modalidade. Depois, procurar apoios junto das entidades que regem o desporto nesta parcela do território nacional e apostar no desporto escolar. É preciso massificar o atletismo nas escolas para atingirmos altos patamares.

Qual é a actual situação da Escola de Atletismo Boa Esperança, de sua propriedade?
Está encerrada temporariamente, devido a pessoais.

Faltam condições
nos clubes


Por que razão os clubes da província têm cada vez menos o atletismo no leque das modalidades que movimentam?
A falta de apoios está a impedir a inclusão da modalidade nos clubes.Os mesmos estão sem recursos financeiros para incluir o atletismo, situação que contribui para o actual estado das coisas.

Quais são os clubes que movimentam a modalidade?
Actualmente, apenas o Vitória Atlético Clube tem o atletismo.O Sporting Clube Petróleos do Bié já anunciou publicamente que vai abrir, ainda este ano, uma secção de atletismo.

>> Por dentro

Nome - Tiago Tchingui
Data de Nascimento -25/02/47
Naturalidade - Andulo (Bié)
Nacionalidade - Angolana Cidade que mais gosta  Luanda
Companhia ideal - A esposa
Número de filhos - 8
Religião - Adventista do 7º dia
Bebida preferida-Água e quissângua
Prato preferido Funje de calulú
Cor - Vermelha
Desporto ideal - Atletismo
Droga - É contra
Tabaco - Não fuma
Poligamia - É contra