Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Progresso da Lunda Sul tem oramento milionrio

22 de Novembro, 2014

Dirigente acredita formar equipa forte para defrontar qualquer adversrio na Primeira Diviso

Fotografia: Flvia Massua

O Presidente da equipa do Progresso da Lunda Sul, António Jamba, deu uma entrevista exclusiva ao Jornal dos Desportos, na qual abordou uma série de questões e revelou o projecto imediato a ser atingido pelo clube de que é presidente, sobretudo neste ano que marca a ascensão do grémio desportivo ao Girabola, depois de uma ausência de  23 anos da província da Lunda Sul na maior festa futebolística nacional.

 A equipa subiu de divisão. Por aquilo que tem acompanhado, o que acha do Girabola em termos de organização dos clubes?
Bem, para responder a  pergunta começo pela organização. Ela tem sido muito boa, embora encontremos problemas no que toca as arbitragens. É um caso que tem de ser bem visto e sobre o qual temos falado sempre com os dirigentes da Federação Angolana de Futebol.

Quanto à competitividade?

A competitividade está 100 por cento acentuada, melhor que algumas competições nacionais e continentais. Angola tem um campeonato, o Girabola que é a festa do povo.

Como pensam entrar nele?
Vamos entrar com todo o orgulho e competência para ver se podemos dar alegrias  à população e a  Saurimo, que andam sedentos de futebol de primeira água.

Que Progresso da Lunda Sul podemos esperar no Girabola do próximo ano de 2015?
O Progresso da Lunda Sul que vai disputar o Girabola de 2015, vai ser uma equipa forte e coesa, pronta a defrontar qualquer adversário que vai desfilar na Primeira Divisão.

Quantas aquisições a direcção do Progresso perspectiva para a próxima época, dada a exigência de alta competição?
Perspectivamos um reforço de oito jogadores, dos quais três são estrangeiros e cinco nacionais. Neste momento, já temos confirmadas três contratações legais, que já estão no clube, todos eles saídos de equipas do Girabola.

Qual é o orçamento global que a direcção do Progresso da Lunda Sul preparou para fazer frente aos compromissos?
Depois de termos sentado com o nosso patrocinador principal, as Organizações Santos Bikuku (OBK), traçamos um orçamento de 12 milhões de dólares, o equivalente a um bilião e duzentos  milhões de kwanzas. Desse valor, o nosso patrocinador já disponibilizou seiscentos milhões de kwanzas, correspondentes a 50 por cento do valor, enquanto o resto vai ser depositado à posterior.

Com esse valor cobre todas as despesas e encargos?

Deixa-me ser mais explícito, quanto ao emprego do valor. É um orçamento programado para as contratações, estágios, pagamento de luvas, prémios de jogos e alojamento, porque o transporte vai ser assegurado pelo avião do nosso patrocinador. Aliás, deixa-me dizer, que em função da nossa subida à Primeira Divisão, o patrocinador adquiriu um avião DC 9, que vai servir para o transporte apenas da equipa e da claque durante o Girabola de 2015.

Esse orçamento é apenas proveniente das Organizações Santos Bikuku (OSK), ou de outros empresários da província da Lunda Sul também?
Como sempre nas minhas entrevistas, eu devo agradecer muito às Organizações Santos Bikuku, por via do seu patrono. Para ser franco, até este momento que dou esta entrevista, o Progresso da Lunda Sul ainda não contou com nenhum cêntimo de forças externas. Tudo o que nós temos é do patrocinador Santos Bikuku.


REFORÇOS  À VISTA
Jogadores contratados
no Congo e na Bélgica


O presidente do Progresso da Lunda Sul, disse que o investimento que a direcção está a fazer é  para ter no plantel jogadores a contratar no país e no estrangeiro.

Pode adiantar os seus nomes e a proveniência?
Contámos já com a confirmação do Chileshi, que veio do 1º de Agosto, do Luciano, proveniente do Sporting de Cabinda, e de Djamin, que veio do Clube Desportivo da Huíla.

Quanto às aquisições estrangeiras, como estão as negociações?

Estão a decorrer muito bem. Todo o processo está a ser tratado com toda a cautela, para não corrermos situações negativas em relação às questões administrativas, dentro da Federação Angolana de Futebol. 

Podemos saber clube e proveniência desses jogadores?
Sem nenhum problema. Vamos contar com dois jogadores vindos da Bélgica e outros dois do Congo Democrático e todos trâmites legais sobre a documentação estão já em curso. Se reparar, temos cá em Saurimo a presença do presidente do Conselho Técnico e Desportivo da FAF que em função da sua experiência nessas lides, aconselhou-nos muito, de maneira a não incorrermos em situações graves, capazes de perigar o clube.

JD: Dá para avançar os nomes dos clubes?
Dois vêm do Sport Club da Bélgica, um do Association Sportive (AS) Vita Club de Kinshasa e outro do Tout Puissant (TP) Mazembe, de Lubumbashi.

Em relação a jogadores não podemos saber os seus nomes?
Dos jogadores não, porque o segredo é a arma do negócio. Se eu fizer algum pronunciamento de nomes, às vezes os nossos concorrentes podem beneficiar-se das nossas descobertas e podemos ser antecipados por eles na contratação destes mesmos jogadores, aliciando-os.


PRESIDENTE PREOCUPADO
“Não existe verdade
desportiva”


Existe verdade desportiva no nosso país?
Para te ser realista, neste país ainda não existe a verdade desportiva. Eu pessoalmente passo por situações graves durante a disputa do Campeonato Nacional da Segunda Divisão, vulgo Zonal de Apuramento ao Girabola.

De que situações se refere concretamente?
Refiro-me mais concretamente aos horários dos jogos. Há jogos que deviam ser disputados em simultâneo, em cumprimento do que estipulam os regulamentos da Federação, mas às vezes, acontece que o nosso se desenrola com antecedência, em detrimento dos outros. Isso, constitui uma das violações à verdade desportiva. Por isso, é que eu disse que essa realidade não existe.

Só isso significa falta de verdade desportiva?
Não se trata apenas disso. Há outras coisas que, como dirigentes desportivos, preferimos omitir.

Nota-se que a cidade de Saurimo de hoje é bem diferente daquela que foi no pós-guerra, em termos de infra-estruturas futebolísticas. Existe algum projecto da direcção para a construção de um campo próprio para o Progresso da Lunda Sul, com dimensões internacionalmente aceites?

A  pergunta é muito pertinente, mas deixa-me dizer que tudo na vida é feita de prioridades. Neste momento, a direcção do Progresso da Lunda Sul traçou como prioridade a formação do homem. A nossa aposta vai para os escalões de formação. Queremos começar nos escalões de iniciados, juvenis e juniores.


REFORÇO DO ORÇAMENTO
Direcção do clube procura
apoio de patrocinadores


Muitas equipas quando ascendem ao Girabola enfrentam dificuldades, para além dos orçamentos próprios, contam com apoios de outros patrocinadores, sendo por isso, uma questão colocada ao presidente do Progresso da Lunda Sul.

Têm alguma intenção de pedir ajuda a empresários locais?
Sim. Neste momento estamos a remeter as cartas às empresas idóneas da província e estamos à espera das respostas, até agora, não recebemos ainda nenhuma resposta. 

A época de 2014 que se apresta a terminar está carregado de irregularidades. Na condição de presidente de um clube que pela primeira vez vai participar num Girabola, em que área da Federação acha que devia ser melhorada?
Dificilmente, os dirigentes dos clubes atacam os órgãos de uma Federação, mas como tal, podemos dar as nossas opiniões. Neste contexto, a minha opinião é de que ela deve  organizar-se muito mais ainda. Deve saber colocar as pessoas certas, nos lugares certos, para conseguirem resolver os problemas de acordo as suas competências. Se continuarmos nessa situação em que nos encontramos neste momento, em que a Federação não vai nem para a frente, nem para trás, ela vai água abaixo.

Isso tem algum fundamento?     
O exemplo vivo disso é o facto dela não ter conseguido apurar a nossa selecção sénior ao Campeonato Africano de Nações (CAN) do próximo ano. Só isso, é bastante elucidativo.

E qual é o seu conselho a respeito deste fracasso?

Aconselhamos que se engaje mais e se organize melhor. Deve fazer uma mexida no seu xadrez, colocar as pedras no seu devido lugar, com vista a dar uma nova dinâmica à essa instituição.