Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Queremos ser mais fortes

Daniel Melgas, no Luena - 03 de Junho, 2014

Jokanovic mudou a mentalidade dos jogadores em relao ao posicionamento tctico para conseguirem travar a iniciativa de jogo dos adversrios e assim ganhar jogos

Fotografia: kindala Manuel

A construo de uma equipa forte nos dois anos de contrato que tem com o FC Bravos do Maquis, com objectivo de colocar os maquisardes na elite do futebol nacional, das ambies do tcnico Pedrag Jokanovic. O treinador disse estar j 80 por cento adaptado realidade do pas, elogiou a reviravolta que se verifica no plantel que orienta, principalmente no capitulo tctico, aspecto que considera dos grandes problemas das equipas e dos jogadores angolanos.

A "perda temporria" do mdio Z Kalanga - lesionado h quase trs meses - foi igualmente referido pelo tcnico maquisarde na entrevista. Para ele, a sada do internacional angolano originou alterao no sistema de jogo da equipa, ou seja, do 5x3x3 passou para 4x4x2. O tcnico Pedrag Jokanovic, em funo das 13 jornadas j disputadas no Girabola 2014, aponta o Recreativo do Libolo como forte candidato ao ttulo de campeo nacional e o Kabuscorp do Palanca, detentor do trofu, o principal adversrio dos libolenses.

Questionado se em funo do comportamento da equipa no Girabola 2014, o FC Bravos do Maquis pode ser campeo no prximo ano, Pedrag Jokanovic disse, na entrevista que deu ao Jornal dos Desportos, no Luena, "nunca pensei, eu quero ser ou vou atacar como digo. Sempre lutamos para ganhar todos os jogos e mostramos isso".

- O que tem a dizer sobre a nova "aventura" futebol em frica e em particular Angola?
- Quando cheguei a Angola sabia que ia encontrar uma realidade diferente. Com os jogadores, comeamos a conhecermo-nos em Portugal, durante o estgio de ms e meio. Alm de treinador da equipa, procurei ser sempre amigo dos jogadores e neste momento h uma grande amizade entre todos.

Na minha equipa quem manda sou eu e acima de mim est a direco, obviamente. Aqui (em Angola) vocs tm as vossas caractersticas de vivncia e ns tambm as nossas, por isso, procuro adaptar-me em algumas e com o tempo estou a gostar e agora estamos a 80 por cento da adaptao. Neste momento somos um grupo com muita amizade.

Que dificuldades encontrou?
- Sobretudo a adaptao ao clima e nova realidade. No futebol tivemos de fazer um grande trabalho na forma de treinar, organizao, empenho nos treinos e tctica, hoje a nossa equipa diferente da que jogou na primeira jornada do campeonato. Estamos a evoluir tacticamente e cada jogador hoje sabe as funes na sua posio, diferente do princpio em que cada um procurava fazer o trabalho do outro, o que causava desorganizao nos sectores. Uma das coisas que no gostei de ver foi o facto de cada jogador procurar fazer o que entendia no campo. Mas fizemos grandes transformaes. Com a perda do Z Kalanga por longa leso e do Benvindo logo a seguir, dois grandes jogadores, obrigaram-me a mudar o sistema de 4x3x3 para 4x4x2.

Esse facto motivo para no atingir os objectivos para os quais foi contratado?
- Na minha vida profissional que j levo 21 anos como treinador, sempre cumpri os meus contratos e aqui no Maquis no vamos fugir regra, at porque, a ideia construir uma equipa forte, capaz de lutar pelos primeiros trs lugares que no so obrigatrios, porque eu no conhecia a equipa, foram todos os jogadores contratados pela direco, com excepo de valos. Ainda assim, pretendemos fazer um Maquis mais forte que do ano passado, isso, significa que estou contente com os jogadores que tenho, pois esto a corresponder melhor.

AMBIO
"Sempre lutmos
para ganhar jogos"


Com a campanha que o Maquis est a realizar pensa ser campeo na prxima poca?
- (risos) C h equipas muito fortes, como Kabuscorp (campeo nacional), Petro (eterno candidato e o mais titulado), 1 de Agosto (crnico candidato), Recreativo do Libolo (bicampeo). Nunca pensei, eu quero ser ou vou atacar como digo. Sempre lutamos para ganhar todos os jogos e mostramos isso. At agora temos duas derrotas, frente ao Kabuscorp (1-2) e Sporting (0-1). O Recreativo do Libolo tem um nico empate em casa e foi connosco, ganhmos aqui (Mundunduleno) o 1 de Agosto, com o Petro s sofremos o empate nos ltimos segundos, ento, em todos campos entramos para ganhar. A gente ainda tem de evoluir e mudar, tentamos mostrar que em todos jogos, grandes e pequenos, temos de jogar para vencer, embora com Sporting foi diferente por perdermos com uma equipa que luta pela permanncia e com Benfica do Lubango ganhamos, mas no fizemos bom jogo, empatamos com o Uge que luta para no descer.

O que significa estar contente com a equipa?
- Quero dizer que no pensamos adquirir nem dispensar jogadores. Neste momento, no me preocupo com isso, porque o campeonato est ainda na primeira volta, s quando chegar ao fim da ltima volta. Agora, estou super-satisfeito com o grupo que tenho, no me passa pela cabea trazer ou dispensar jogadores, gosto da equipa a no ser que a direco queira, mas eu quero todos e estou contentes com todos. Talvez possa entrar um ou outro, mas vamos falar com a direco e vermos isso. Agora chega o Sonito, tambm contratado pela direco e vem com rtulo de goleador da seleco moambicana, vai ser inscrito para a segunda volta e que nos vai ajudar. A ideia como j disse fazer uma equipa forte, porque como sabe, o Maquis fez um grande campeonato o ano passado e cada adepto quer que evolua mais, mas neste momento muito cedo, eu digo sempre que entramos em todos os jogos para vencer.

GIRABOLA 2014
Boa campanha
mrito dos atletas

Que avaliao faz do comportamento dos jogadores no que a prestao da equipa no campeonato?
- Estamos no incio do campeonato e ainda no conquistamos nada. A equipa est a fazer uma boa campanha e por mrito absoluto dos futebolistas. Porque na minha equipa titular quem treina srio. Pode marcar muitos golos em um jogo, mas se para o duelo seguinte no treinar ou o faz de forma intermitente, no joga. O quarto lugar foi conseguido porque os jogadores conseguiram pr em prtica tudo o que programamos nos treinos e nos jogos.

"Libolo est a ganhar jogos
por cumprir a parte tctica"

Que avaliao faz do futebol angolano ?
- Surpreendeu-me pela positiva, porque tem jogadores muito rpidos e tecnicamente bons, mas pecam, em minha opinio, muito na tctica onde so um pouco incompletos. O Recreativo do Libolo, por exemplo, uma equipa que ganha os jogos por fazer bem a parte tctica. No ano passado, no vi o Maquis jogar, mas vi no estgio no Algarve e hoje diferente, acho que deve trabalhar tal aspecto atravs de muito rigor nos treinos. O jogador tem de ter na mente que est no clube para trabalhar e ajudar o clube, temos contratos, portanto est aqui como profissional e deve trabalhar para honrar o contrato.

isso que faz no Maquis?
- As minhas equipas so montadas na base da agressividade e solidez tctica. Eu tinha este problema no incio, o central ia bater a bola, cruzava, o lateral esquerdo ia para direita e executava o canto, estas coisas no futebol organizado no se admitem, mas a minha equipa adaptou-se muito rpido s transformaes, porque tenho jogadores inteligentes. Por exemplo, eu aconselho o Capuco que todas bolas de frente so dele, pode tabelar e fazer mais coisas em frente. O Benvindo um grande ala-esquerdo, mas teve problemas no incio, quando sobe no desce ou esquece-se de fazer a conteno para matar os contra-ataque contrrios. So estes aspectos e outros, que deixam a equipa organizada tacticamente.

Que outros factores podem estar na base do bom momento da equipa do Maquis no campeonato?
- A Unio dos dois capites trouxe solidez equipa.
O Benvindo (capito) e o Joel (sub-capito) juntos mais a equipa tcnica foram muito importantes na consolidao da unio do grupo. A imprensa no tem de ir sempre contra os jogadores, porque fora do futebol tambm tm suas vidas, se houver falhas neste aspecto, fica complicado. Por exemplo, eles trabalharam bem e demos quatro dias de folga, porque mereceram, so humanos e quando voltam para os treinos voltam mais animados.

possvel fazer um prognstico do que pode ser a segunda volta do Girabola?
- Eu gostava que ficssemos em primeiro lugar (risos). Estou a aprender. Vejo o que se passa todos dias, vejo todos os jogos e depois vamos ver o que pode acontece na segunda volta, mas temos agora o Recreativo da Cala que tambm tem as mesmas ambies que ns, depois o 1 de Maio em casa. Nos dois jogos vamos tentar ganhar, porque nunca peo aos jogadores para ganhar, mas tentar dar o seu melhor e depois a gente v se chegmos l ou no. Mas se a equipa adversria for melhor temos de saber felicitar, mas tenho a certeza quando a equipa der 100 por cento, muito dificilmente perdemos.

Que sugestes faz para o desenvolvimento do futebol angolano.
- O futebol angolano aumentou de competitividade, prova disso, o regresso de muitos bons angolanos que actuavam no estrangeiro, fruto da aposta que os clubes fazem no financiamento. Mas os jogadores angolanos devem aproveitar o momento e os clubes devem trabalhar srio na organizao e na formao para a prpria sustentabilidade. No futebol europeu tudo muito srio. Se quizeres aqui ter futebol tens de se trabalhar srio. Se as direces fazem tantos investimentos, os jogadores tm de corresponder da mesma maneira.

RECADO
Deixem os rbitros fazer o seu trabalho

O que tem a dizer da nossa arbitragem?
- Tivemos 12 arbitragens muito boas, uma com uma ou outra falha, o que normal como em qualquer lugar. O nico jogo que no gostei foi com o Benfica de Luanda, de resto tudo bom, gostei muito do ltimo com o Petro que teve arbitragem de Pedro dos Santos. Ele (rbitro) esteve bem, empatmos com golo no minuto 96, mas o problema foi nosso que no aguentamos, j com o Benfica de Luanda a arbitragem foi tendenciosa.

Receia arbitragens muito mais tendenciosas na ltima fase da competio?
- Certamente. Receio que a segunda volta venha a ser complicada, porque h equipas que jogam pressionadas, algumas no vo querer descer de diviso e outras lutam pelo ttulo. Acho que deve se deixar os homens do apito fazerem o seu trabalho. H tambm um reparo que quero fazer. Gostava que os rbitros ficassem atentos ao anti-jogo praticado no campeonato. Tanto os meus, como os dos outros. Devem dar mais tempo de jogo, acho que h muita paragem durante os 90 minutos. Os jogadores caem toda a hora, pedem a entrada de massagistas. Eu estou a lutar na minha equipa, j tivemos tais episdios, estes aspectos no ajudam o futebol, quebra o ritmo de um jogo. Acho que os rbitros podem ajudar e fazer um reparo com medidas disciplinares. A minha equipa no vai fazer isso, porque estou a trabalhar neste sentido, espero que melhore a situao na segunda volta.

CLASSIFICADO
Jokanovic contente
com o quarto lugar

O Bravos do Maquis uma equipa pequena, mdia ou grande?
- Se me pergunta se estou contente com o quarto lugar, eu digo que sim, mas quero ir para o terceiro e depois subir sempre, mas se a gente perde com o Cala descemos dois lugares. Por isso, agora estou contente com o quarto lugar e se podermos ir mais longe melhor, mas se ficarmos onde estamos no final de campeonato, tambm est bom. Temos de continuar a trabalhar, no podemos relaxar.

E em relao ao futebol nacional?
-Para mim, o campeonato est dividido assim: Libolo, Kabuscorp, Benfica, Petro de Luanda e 1 de Agosto, entre os primeiros cincos lugares, na minha opinio. Maquis, Interclube, Sagrada, Cala e Progresso tm de lutar para outros cinco lugares, mas como isso no exacto, j houve alterao da minha lgica, porque o Petro e o 1 de Agosto esto atrasados, o Cala atrazou-se e neste momento o Maquis est com todo o mrito no quarto lugar. Esperamos continuar a, o lema da nossa equipa antes de comear no se pode pensar que j ganhamos os jogos", sempre pedimos que joguem da mesma maneira e 100 por cento para o clube.

O Cala um adversrio relativamente fcil.
-No. No existem equipas fceis, seno vejamos: Perdemos com o Sporting e empatmos com o Unio do Uge. Ou seja, perdemos cinco pontos que nos colocavam em segundo lugar, com equipas que lutam pela permanncia. Mas fomos buscar pontos que as pessoas no contavam, como ganhmos o 1 de Agosto, o Interclube e empatmos com o Libolo.

Qual a relao da equipa tcnica com a direco do clube?
- Muito boa. O relacionamento com a direco salutar. At agora, as condies de trabalho so boas, mesmo financeiramente no h razes de queixas. A direco acompanha os treinos e esta presena boa, porque sentimos que estamos a ser acarinhados, em caso de problemas so resolvidos na hora. Se no est o presidente, est sempre outro da direco, o vice ou outros.

- A equipa do Maquis tem adeptos exigentes. Tem uma mensagem para eles?

- importante a presena do pblico, mesmo que nos apupe. A presena do pblico motiva os jogadores, d alegria e paixo. Ns jogamos futebol para eles, porque um factor de unio de diferentes estratos sociais, raa, lngua e reintegrao social, entre outros. A gente sem adeptos no nada. Ns dependemos muito deles e devemos respeitar muito, continuem a apoiar-nos como fazem at agora. Em alguns jogos os adeptos ficaram triste porque ns jogamos menos, mas em outros foram felizes. Queremos jogar e ganhar com espectculo e boas exibies e no com sorte. Em casa ou fora, procuramos vencer sempre.