Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Um dos rostos mais visveis da gesto do ciclismo angolano

Simo Kibondo - One-line - 09 de Maio, 2013

A ttulo profissional, quero ser um grande dirigente desportivo a nvel nacional e internacional.

Fotografia: Jornal dos Desportos

Queiramos ou não, Alex Futi, 43 anos, é o rosto mais visível da Federação Angolana de Ciclismo (FACI), por ter sido eleito Secretário-geral da instituição para o quadriénio 2013-2016. O anterior Vice – Presidente, do Conselho Técnico Nacional (CNT), Alex Futi, foi eleito numa escolha muito difícil entre os “sangradores”-, denominação que o Presidente da Direcção da FACI, Diógenes de Oliveira dá aos seus principais seguidores na instituição sempre que reúne um grupo restrito de executivos para levar a bom porto o projecto da instituição -, quando se aventou a hipótese de substituição do anterior Secretário-geral, na véspera da apresentação da lista definitiva de consenso e única que concorreu às eleições de 24 de Abril último.

Alex Futi, que tem como uma das principais valências falar fluentemente francês, uma das línguas aceites nos órgãos reitores da modalidade a nível internacional, nomeadamente a Confederação Africana de Ciclismo (CAC) e a própria União Ciclista Internacional (UCI), o que facilitará sobremaneira nos contactos da FACI com as duas congéneres, aliado ao facto de conhecer profundamente os problemas do ciclismo angolano por ter estado durante muito tempo na área técnico desportiva em que foi eleito no cargo em função da necessidade de se ter na instituição um Secretário Geral “profissional” que responda às exigências e os desafios que se avizinham na modalidade.

Aumento dos pólos de desenvolvimento é um facto. Segundo o novo gestor do ciclismo angolano, “a nível do país o ciclismo até agora tem andado dentro da nossa realidade e creio que melhorou bastante, passando a ter um Campeonato Nacional de Ciclismo de Estrada Unificado regular “. “ A implementação do Ciclismo feminino em Luanda e o aumento de pólos de desenvolvimento do ciclismo um pouco por todo o País são outros vectores, apesar de no contexto africano a participação das selecções nacionais ser lenta.

Acredito que ao longo deste quadriénio, a situação vai melhorar”, acrescentou ainda. Para Alex Futi falar do Ciclismo feminino em Angola é um “quebra cabeça” pelo facto da população feminina não ter ainda a cultura da prática da modalidade ciclista. “De resto a FACI ensaiou o lançamento no escalão em 2010 que espera começar a dar os seus primeiros frutos entre 2013 e 2016, em função da criação de uma vice- presidência de Direcção para o Ciclismo feminino, liderado pela anterior vogal de Direcção Cremilde Rangel”, confirmou.

TRAJECTÓRIA
Alem de pertencer aos quadros da FACI, Alex Futi, tendo levado as selecções nacionais de Ciclismo a muitas competições internacionais no exterior do País, destacando-se os Jogos Pan- Africanos de Maputo 2011 , em Moçambique e . todas as edições da Volta ao Cacau em São-Tomé, como director técnico da equipa nacional,Foii, voluntário na organização do CAN -Orange Angola de 2010.

“ A minha motivação na gestão desportiva deve-se ao facto de ter muitos amigos a dirigir muitas instituição desportivas, o que impeliu também a dar a minha contribuição incondicional neste sector”, frisou. De acordo com Alex Futi entrou pela FACI através de um convite do actual Presidente de Direcção da FAI, Diógenes de Oliveira em 2006, para preencher uma vaga que existia no quadro administrativo, tendo passado para o Conselho Técnico Desportivo como Vice- Presidente no quadriénio 2008-2016.

Para Alex Futi agora terá na FACI, uma oportunidade enquanto Vice-presidente do Conselho Técnico Desportivo de complementar o Presidente da área, como Secretário-geral será o rosto do secretariado, passando a ser o intermediário entre a Direcção e outras áreas de todos os órgãos e Corpos Gerentes do elenco. Alex Futi é funcionário público, onde se ocupa do comércio de produtos a retalho e, joga futebol na equipa “ La Grace” das velhas guardas do Município do Cazenga nos tempos livres.

DESAFIOS
Realizar a volta a Angola

Executar à letra os programas da Direcção, apoiar as presidências, organizar o secretariado-geral e completar o grande trabalho feito pelo anterior secretário Geral (…), são segundo Alex Futi , os principais desafios que  tem pela frente. O novo Secretário-geral tem como maior ambição ver o actual elenco da FACI realizar a volta a Angola em Bicicleta ou Tour Angola de uma forma regular, elevar o nome do ciclismo angolano à patamares elevados. A título profissional, quero ser um grande dirigente desportivo a nível nacional e internacional.

“Todos devemos saber que o ciclismo é vida, saúde e condição de boa forma física”, concluiu o dirigente que começou a deixar também a sua marca na modalidade.

PING PONG

“Acredito no potencial de Angola no Hóquei em Patins e no mundial em casa mandamos nós ”

Os jovens todos estão a ser mobilizados para darem o seu contributo no mundial de Hóquei que Angola vai realizar, qual será a sua contribuição.
Estarei disposto a dar o meu contributo como sempre dei como voluntario.

Qual é a importância do Mundial de Hóquei em Angola?
Angola a par do desenvolvimento que quer ter na modalidade de Hóquei vai mostrar aos olhos do mundo o seu desenvolvimento sócio - económico em tempo de paz.

Acredita que Angola pode vencer o Mundial de Hóquei em Patins?
Concerteza. Acredito no potencial Angolano, Aliais na nossa casa, mandamos nós.

Acha que o Mundial está a ser bem publicitado?
Acho que sim. Mas, é necessário que a partir de agora todos nós sejamos agentes de publicidade deste magno evento.

POR DENTRO
Nome completo: Alex Futi
Data e local de nascimento: Cabinda, ao 15 de Maio de 1969
Estado Civil: Solteiro
Filhos: Dois
Altura: 1.85m
Peso: 71 kg
Calçado: 43
Prato: Feijoada
Bebida: Sumo
Clube do coração: Barcelona
Perfume: Qualquer
Alguma vez mentiu: Sim
Religião: Cristão
Sonho: Ver os meus filhos crescidos e realizados
Ídolos: Deus