Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Vamos oferecer serviços de boa qualidade a todos"

21 de Setembro, 2009

Jornal dos Desportos (JD) – Tendo em conta a realização do CAN’2010, qual é a actual realidade do sector de hotelaria e turismo da província da Huíla?  –
João Silvestre (JS) – Estamos a funcionar com 590 quartos e cerca de 1200 camas. Para as necessidades do Campeonato Africano das Nações, reservamos 231 quartos e 271 camas. Portanto, está é a realidade actual. Pensamos duplicar esses números até ao mês de Novembro, quando entrarem em funcionamento mais quatro unidades. Até ao fim-do-ano, poderemos ter 532 quartos e cerca de mil e quinhentas camas.

JD – E quanto à qualidade de serviços a prestar?
JS – Para melhorar a qualidade das unidades existentes e daquelas em construção, estamos a levar a cabo formação aos agentes do sector. Estão em formação 644 elementos nas diversas áreas do sector. Isto é, estamos a fazer cursos de gestão de pequenas e médias unidades de hotelaria, recepção e andar, guias turísticos, cozinha e pastelaria. O objectivo é aumentar a boa qualidade para que as unidades hoteleiras prestem serviços em condições aceitáveis aos visitantes.

JD – O Grande Hotel da Huíla e o Hotel Estrela da Chela, localizado no Complexo Turístico da Nª Sr.ª do Monte, são algumas das unidades escolhidas para hospedar as delegações oficiais. Independentemente dessas duas, quais serão as outras que se destinarão a esse fim? JS –Vamos contar ainda com o Hotel Lodge Palanca Negra, Casper Lodge, Hospedaria Ivone Lara, Wenda Ke-Tay Lodge, Somitour, Waholama (Lodge), Hotel Amigo e outras que estarão prontas antes de Dezembro.

JD – Pode citar as unidades hoteleiras em fase de acabamento antes de Dezembro?
JS – Temos o Hotel Primor, Chick Chic Hotel, Luvango, Novo Hotel, Hotel Lubango 2 e o Hotel Império. São hotéis que podem estar prontos.

JD – Há garantias de conclusão antes de Dezembro?
JS – Na maior parte das unidades há garantias de que até ao fim-do-ano, poderemos contar com elas, o que vai melhorar a capacidade hoteleira na província.

JD – Qual é a maior preocupação do seu departamento nesse momento?
JS – Queremos que as pessoas trabalhem afincadamente no sentido de conseguirmos terminar com as unidades hoteleiras nos prazos estabelecidos, pois estamos a contar com elas para essa actividade.

JD – Qual é a situação real dos espaços para as diferentes caravanas de excursionistas nacionais e estrangeiros?
JS –As pequenas unidades sempre funcionaram. Umas estão no centro da cidade, outras na periferia. Contudo, estão mobilizadas para prestarem um bom trabalho e atendimento aos clientes. É de realçar que também haverá um aumento da quantidade de unidades de pequeno porte até ao fim-do-ano.

JD – A higiene e a segurança (das unidades hoteleiras) constituem hoje duas preocupações das entidades que regem o desporto mundial. Como estão a tratar essa situação?
JS – Estamos a trabalhar com todas as unidades. O nosso objectivo não se cinge na aplicação de multas e na fiscalização, mas também exercemos, essencialmente, papel pedagógico junto das unidades hoteleiras para que possam estar em condições de apresentar bons serviços. Apesar de algumas dificuldades existentes na província, como a falta de água e energia, tudo está a ser feito para que as coisas estejam a um bom nível durante o evento. É verdade que a falta de água e de energia também afecta os operadores.

JD – Quantos turistas pode receber a Huila durante o evento?
JS – Não queríamos quantificar, mas estaremos em condições de receber pelo menos mil e quinhentas pessoas por dia. Estamos preparados para atender as necessidades oficiais do CAN. O número exacto de pessoas que virão nessa qualidade só o COCAN pode fornecer. Trabalhamos em conjunto, mas este departamento não tem os dados sobre as delegações oficiais e as suas quantificações até ao momento.

JD – Existem informações segundo as quais os turistas que vierem para acampar vão encontrar todas as comodidades. Que se lhe oferece dizer, relativamente aos parques para campismo? 
JS – Estão em curso trabalhos que começam a engalanar a nossa província. Diria que algumas novidades vão surgir nos próximos dias, não só em relação ao parque de campismo, mas também nalgumas zonas naturais de interesse turístico. Há algumas melhorias visíveis na Fenda da Tundavala, Cristo Rei, Serra da Leba, entre outros. Acredito que até ao mês de Dezembro, muita coisa vai ser feita e pedimos às pessoas interessadas e disponíveis que podem contar connosco. O governo local está a trabalhar no sentido de dignificar a nossa cidade, em particular, e a província, no geral.

JD – O que a cidade de Lubango tem na manga para que os hóspedes voltem no mais curto espaço de tempo?
JS – Vamos oferecer serviços de boa qualidade a todos; vamos criar expectativas para que as pessoas voltem a essa província noutras actividades; haverá sempre unidades preparadas para um atendimento condigno.

Wenda Ke-Tay Lodge
tem novidades para clientes

O restaurante Wenda Ke-Tay Lodge, localizado no Complexo Turístico da Nossa Senhora do Monte, tem sido o ponto de atracção obrigatório para os turistas e visitantes na cidade do Lubango, província da Huíla.
Com uma capacidade de 25 quartos, dos quais quatro suites, três duplos, cinco singles, 13 casais, um restaurante, casino de jogos, a gerência da unidade hoteleira prepara-se para criar os pacotes turismo face à demanda dos seus serviços durante o CAN’2010.
Para melhor servir os clientes, a direcção está a construir mais de dez (10) bungoloydes (casotas cobertas de capim), um posto médico, um cyber-café com serviços de Internet para jornalistas que vão transmitir para todo o mundo as notícias do evento, serviços de Rent-a-Car, Snack-Bar, entre outras novidades.
Madalena Jundo, gestora do restaurante Wenda Ke-Tay, assegura que estão a preparar todas as condições para que nada falhe, uma vez que os seus serviços têm sido os mais preferidos dos hóspedes que se deslocam a Lubango.
“Recebemos muitos turistas que procuram por serviços de internet e não temos instalado. Estamos a proceder aos respectivos mecanismos para criarmos essa sala, principalmente, para jornalistas. A título de exemplo, há duas semanas, recebi uma reserva da BBC de Londres para alojamento. Daí, estamos a empenhar-nos mais devido a essa situação. Queremos tê-lo montado no snack-bar”, revelou.
Para unir o útil ao agradável, a direcção do Wenda Ke-Tay Lodge vai colocar à disposição dos hóspedes o serviço de Rent-a-Car “para que possam fazer as suas excursões dentro dos nossos pacotes”.
Outro elemento está ligado à saúde das pessoas. A criação de um Posto Médico visa propiciar aos hóspedes os primeiros socorros, tendo em conta a distância que separa a hospedaria do centro da cidade, onde se encontram os hospitais de referência. O espaço vai ter uma sala de enfermagem, onde vão trabalhar um médico e cinco enfermeiras.
“Estamos a construí-lo devido aos hóspedes que eventualmente possam contrair algumas patologias e não podem deslocar-se do Complexo Turístico até ao Hospital Central ou noutra clínica situada no centro da cidade. No entanto, vai servir para os primeiros socorros. O mundo vive afectado da gripe H1N1, também conhecida por gripe A, e estamos a prevenir-nos”, ressaltou Madalena Jundo.

Hotel Chela está aberto
ao público em Novembro

O Hotel Chela vai entrar em funcionamento antes do mês de Dezembro do corrente ano. O estado avançado das obras indicia o seu final nos próximos dias. É o que se constatou na visita feita pela equipa de reportagem do Jornal dos Desportos.
Construído no Complexo da Nossa Senhora do Monte na cidade de Lubango, o Hotel Chela apresenta características físicas avançadas comparativamente a outros em edificação.
O representante da empreiteira Omatapalo, Alex de Oliveira, referiu que o primeiro bloco do hotel vai ter dois restaurantes, sala de entrada, uma sala de convívio, uma sala de eventos, piscina, estander e 175 quartos.
“Estamos a construir este bloco com previsões de finalização antes do Campeonato Africano das Nações; previmos o seu final em Dezembro. Temos um novo bloco hoteleiro também para o CAN’2010 com 63 quartos, cuja finalização está prevista antes de Dezembro. Vamos ter um hotel com 175 quartos prontos para servir o Campeonato Africano das Nações”, disse.
Os esforços dos trabalhadores são notáveis nos seus rostos. Desde os mestres aos aprendizes, todos se entregam ao trabalho com a mesma disposição.
“Vamos fazer um esforço para concluirmos o primeiro bloco em meados de Novembro, para que esteja em serviço imediatamente. Depois, será outro assunto no qual o empreiteiro não tem nada a ver”.
Actualmente, decorrem trabalhos de acabamento, tais como pintura, instalação eléctrica, aplicação de mosaicos, janelas, portas, entre outros serviços de pequeno vulto.