Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Vou fazer o melhor para conseguir o meu objetivo

Sardinha Teixeira - 30 de Julho, 2011

Esperança Gicasso, sofria porque os colegas gozavam com ela o tempo todo

Fotografia: Mota Ambrósio

Nascida em Luanda, a velocista angolana compete na modalidade paraolímpica do atletismo categoria T12, nos 100 e 200 metros. Repleta de medalhas, como quatro de parata, uma de ouro e duas de bronze, que conquistou nos Jogos da CPLP e SADC, em 2010.
Esperança Gicasso é sem dúvida a melhor atleta a nível dos paralímpicos, mercê do engajamento nas competições nacionais, continentais e internacionais. A atleta que conquistou duas medalhas de prata, nos 100 e 200 metros, nos Jogos da CPLP, em 2010, é uma das apostas, da pré-selecção nacional de atletismo sénior para os Jogos Panafricanos de 3 a 18 de Setembro em Maputo, Moçambique.

A pré-seleccionada trabalha em Luanda até 8 de Agosto. A ser escolhida definitivamente para os Panafricanos; no mesmo mês cumprirá um estágio na África do Sul. Esperança Gicasso pertence a classe T12 (denominação usada pelo Comité Paralímpico Internacional para identificar os atletas com deficiência visual parcial, segundo a classificação médica). O objetivo dela é ficar entre as primeiras nos 100 e 200m. A competição será muito forte e todas estão bastante preparadas, por causa do mundial da Inglaterra.

Qual é o seu objetivo no evento de Moçambique e o que podemos esperar de si?
O grande objetivo é de treinar sempre. Isso vai me dar ritmo de prova para chegar muito bem nos Panafricanos, que é a competição mais importante de 2011. A prova de Moçambique vai apurar pela primeira vez na história do desporto adaptado em África os melhores para os jogos de Londres (Inglaterra) em 2012. Tenho certeza que os Jogos Panafricanos de Maputo, vão ser um sucesso e que a nossa delegação vai fazer a melhor campanha de todos os tempos, tanto no desporto convencional, quanto no desporto voltado para as pessoas com deficiência.

Pensa conquistar medalhas?
Nunca prometi medalhas e também não vai ser dessa vez que vou fazer isto. O que posso prometer é que vou fazer o melhor para conseguir o meu objetivo pessoal, contribuir para que a nossa seleção possa sair de lá com um bom resultado e poder representar o meu País com toda dignidade que o povo angolano merece.

Qual é o nível técnico da competição?
Será um nível médio, porque estaremos diante dos maiores atletas do continente da classe T 12. O evento será bem emocionante e empolgante. Por este motivo, quem vier a Moçambique assistir o torneio, não ira se arrepender.

Que sensação teve quando pisou pela primeira vez uma pista?
Quando pisei pela primeira vez uma pista, eu disse que queria ser campeão. O treinador (naquela ocasião) afirmou que eu tinha potencial para isso, recorda a medalhista. Ele dizia que eu sonhava muito alto.

Acredita que o treinador tinha razão?
Hoje tem muita gente que me admira, mas antes eu não tinha nada. Agora, quando conquisto medalhas viro notícia.

E os sacrifícios para chegar às conquistas?
É muito bom acordar as seis da manhã, pegar um táxi e depois andar dez minutos para chegar ao local de treinamento. São todas essas lembranças de dificuldades e sacrifícios que tenho passado na minha vida pessoal. E graças a todos esses obstáculos que aprendi a nunca desistir e sempre continuar e persistir em busca dos meus objectivos e sonhos e espero que esse meu exemplo possa servir de inspiração para as novas gerações que vem por ai.

Como exemplo de vida, o que tem a dizer sobre persistir e fazer das dificuldades grandes vitórias?
Nunca desista dos seus sonhos.

Agora, quando
conquisto medalhas
viro notícia


Nome: Esperança Gicasso
Data de nascimento: 11/7/92
Natural: Luanda
Nacionalidade: Angolana
Peso: 47Kg
Altura: 1, 50 cm
Clube: Centro de Treinamento Especial de Luanda
Habilitações: 11ª Classe
Fuma: Não
Bebida: Sumos naturais
Filmes: Comédia
Música: Gospel
Droga: Contra
Melhor país: França
Melhor cidade: Paris
Casa própria: Não
Carro: Não
Esplanada ou discoteca: Nenhum
Campo/Praia: Praia
Cor: Azul
Religião: Bom Deus
Dirigente que mais admira? Nenhum
Treinador favorito? Mestre Paulo e Avó Pedro
Número preferido? 39
Tempos livres? Estar ao lado da família
Melhor momento da vida? A conquista da primeira medalha de ouro nos 100 metros, na Suazilândia, nos Jogos da SADCC, em 2010. 
Pior momento? A conquista da medalha de bronze nos 400 metros, nos Jogos da CPLP 
Sonho de miúda? Ser médica
Comida favorita? Feijoada